Início » Internacional » Crônica de um papado anunciado
Igreja Católica

Crônica de um papado anunciado

Esta semana as resenhas dedicaram-se a livros sobre religião. A primeira resenha analisou as raízes ideológicas do pontífice jesuíta latino-americano, papa Francisco

Crônica de um papado anunciado
Em oposição discreta à “monarquia”, bispos da América Latina, entre outras regiões, desenvolveram seus estilos e sensibilidade (Reprodução/Reuters)

Na noite de 13 de março de 2013 o cardeal Jorge Bergoglio apareceu na varanda do Vaticano e olhou para os peregrinos molhados de chuva na praça São Pedro. No mesmo instante a multidão que aguardava a indicação do novo papa ficou encantada com sua modéstia. Seus amigos prelados haviam “ido ao fim do mundo” para encontrar um papa, disse, como se ele fosse uma escolha obscura e improvável.

A modéstia era real, mas sua escolha não foi uma casualidade, como revela uma biografia que examina em detalhes a história pessoal do papa argentino e suas raízes ideológicas. Em The Great Reformer: Francis and the Making of a Radical Pope, Austen Ivereigh, um católico inglês, descreve com paixão e rigor como a eleição do cardeal Bergoglio mostrou as manobras secretas e poderosas, que agitaram ao longo de décadas o mundo do catolicismo. Mesmo durante o mandato monárquico do papa João Paulo II, que centralizou o poder e reprimiu o movimento dissidente, já existiam tendências conciliatórias em ação. Por fim, elas manifestaram-se na escolha de um papa da América do Sul.

Em oposição discreta à “monarquia”, bispos da América Latina, entre outras regiões, desenvolveram seus estilos e sensibilidade. O cardeal Bergoglio, como Ivereigh o chama, era um representante do movimento de vanguarda do catolicismo na América Latina, que refletia a experiência de pessoas comuns, mas, ao mesmo tempo, contestava as categorias seculares dos liberais e socialistas.

Austen Ivereigh fez o doutorado em religião e política na Argentina na década de 1990. Portanto, sua descrição da vida de Jorge Bergoglio, filho de imigrantes italianos nascido em 1936, em seu país natal turbulento, sedutor e brutal, é um retrato interessantíssimo de um produto da cultura popular de Buenos Aires e de uma figura de um carisma extraordinário.

Fontes:
The Economist-Chronicle of a papacy foretold

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *