Início » Internacional » Dia do Trabalho é marcado por protestos na Europa
Desemprego em alta

Dia do Trabalho é marcado por protestos na Europa

Em diversos países, população vai às ruas protestar contra as medidas de austeridade

Dia do Trabalho é marcado por protestos na Europa
Seis milhões de pessoas estão desempregadas na Espanha (Reprodução/AFP)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A data em que se comemora o Dia do Trabalho foi marcada por manifestações em diversos países da Europa. Nesta quarta-feira, 1º, a população da Grécia, Espanha, Itália, Alemanha e Turquia protestaram pedindo o fim das medidas de austeridade em seus países.

Na Grécia, uma greve geral convocada pelos dois principais sindicatos do país interrompeu os serviços de transportes, entre eles as balsas para as ilhas. O país entra em seu sexto ano consecutivo de recessão, e a população quer o fim das medidas de austeridade. “Nossa mensagem hoje é muito clara: chega dessas políticas que prejudicam o trabalhador e tornam os pobres ainda mais pobres”, disse Ilias Iliopoulos, secretário-geral da união dos servidores públicos Adedy.

Leia também: O mito da austeridade

Já na Espanha, onde o desemprego atinge mais de 27% da população, organizações sindicais convocaram protestos em mais de 80 cidades, no intuito de provocar uma “mudança radical” na política. Candido Mendez, dirigente da central sindical UGT disse que com uma taxa de desemprego tão alta (cerca de 6 milhões de desempregados) “nunca houve tantas razões para ocupar as ruas em um 1º de maio”.

Fontes:
O Globo-1º de Maio: milhares de trabalhadores vão às ruas contra medidas de austeridade na Europa
Estadão-Países da Europa e Ásia marcam 1º de Maio com protestos contra austeridade

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

6 Opiniões

  1. Regina Caldas disse:

    Na França 39% de jovens, na faixa de 15 a 25 anos, estão desempregados, não completaram seus estudos, ou nunca trabalharam. Na Espanha não está diferente. Na Grécia milhares de crianças estão passando fome.. É uma situação trágica, pois ao afetar a juventude afetam-se as próximas gerações no mercado de trabalho, o que desorganiza toda a estrutura social da CE. E o que mais agrava esta situação é a falta de perspectiva que dê alento ao europeu, e o custo dos benefícios sociais tanto aos desempregados, quanto aos aposentados em número cada vez maior. No entanto, chama a atenção o fato de que os países do leste europeu não demonstraram até o momento estarem sendo afetados pela crise. E talvez, a melhor perspectiva para os jovens desempregados seja a imigração para estes países em busca de oportunidades.

  2. Honório Tonial disse:

    Referindo-se ao Dia do Trabalho , por afinidade lembramos o Salário Mínimo, o maior embuste oficial…….“fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim”. Artigo 6°. Item IV dá Contituição de 1988.
    Os legisladores que defendem e elogiam o atual Salário Mínimo brasileiro deveriam ser submetidos às respectivas Comissões de Ética e cassados sumariamente.
    Onde está a nossa OAB? A Comissão dos Direitos Humanos. O Judiciário?
    A “ cara de pau dos dirigintes do PT e aliados, festejam a data fingindo desconhecer a tortura a que o pobre trablhador é submetido..
    Se estiver mentindo, por favor tomem as providênciaas que julgarem meritórias.
    O trabalhador brasileiro é roubado oficialmente!

  3. ISAAC J. A. CARMO disse:

    Quem diria, a Europa mergulhada em crise dá o seu grito de protesto nas ruas. Por ser esta data (1º. de Maio) escolhida, dá para perceber que a relação capital x trabalho não vai nada bem por lá. Certa vez, por volta dos anos 90, comentando com um cidadão francês sobre as greves em seu país, ele me disse que as greves na França eram diferentes das greves no Brasil: Lá a briga era pelo “ter muito mais”. Agora, pelo visto, tanto na França quanto nos outros países europeus, a briga é pelo básico, à exemplo da Grécia, Espanha, Itália, etc. O Brasil, que tanto relutou para sair de uma situação de profunda injustiça social e da alta concentração de renda, e que na última década moustrou resultados positivos, precisa adotar ferramentas que barrem os efeitos mais graves dessa crise internacional, pois não devemos pagar pelos erros dos outros, no momento em que precisamos crescer e nos afirmar neste nosso novo cenário.

  4. Áureo Ramos de Souza disse:

    Do jeito que se encontra o Brasil o 1º de maio foi comemorado com festa nas cidades pois tem muito estádios para se terminar de construir para as copas e depois das copas para onde irão esses trabalhadores com um bando de político banana como diz o Datena a ´politicarem em prol de se mesmo. Depois da tempestade vem a micharia de salário mínimo para se viver e o desemprego irá chegar no ano de 2015

  5. Rene Luiz Hirschmann disse:

    Aqui, os sindicatos pelegos e a CUT traira, pagaram com o dinheiro dos trabalhadores trios eletricos e cantores sem expressão nehuma uma pseudo festa no Vale do Ainhagabau, com um discurso vazio sem revindicar nada com muita força, eta pelegada velha o PT e os seus aliados estão em berço esplêndido enquanto que os aposentados não recebem aumentos dignos equivalente com o contribuiram com muito esforço, hoje doentes ou deformados em asilos, só conseguem comprar remédios, e dizem que é a melhor idade, quanta ironia.

  6. josiane disse:

    INFELIZMENTE ESSES SÃO OS REFLEXOS DO CAPITALISMO DESENFREADO E DA GLOBALIZAÇÃO,
    SENDO QUE QUEM SENTE É O POVO, POIS NAS CRISES DO CAPITALISMO QUE JÁ SÃO HISTORICAS !!!!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *