Início » Internacional » Dispara a mortalidade infantil na Venezuela
CRISE HUMANITÁRIA

Dispara a mortalidade infantil na Venezuela

Dados divulgados nesta semana mostram um assustador aumento de 30% da mortalidade infantil no país

Dispara a mortalidade infantil na Venezuela
Profissionais de saúde protestam contra o governo Maduro (Fonte: Reprodução/Getty Images)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Dados divulgados por autoridades venezuelanas nesta semana mostram um assustador aumento de 30% da mortalidade infantil no país em relação a quando as últimas estatísticas foram divulgadas, dois anos atrás.

Leia também: Manaus decreta emergência após chegada em massa de índios venezuelanos
Leia também: A decadência da propaganda política na Venezuela
Leia também: Desespero venezuelano
Leia também: ‘Não metam o nariz na Venezuela’, diz chanceler

O número de mulheres que morrem durante o parto disparou ainda mais: 65%. Além disso, o número de casos de doenças como malária e difteria aumentaram significativamente na Venezuela. Faltam remédios e há racionamento de vacinas no país. Uma associação de empresas farmacêuticas informou que os estoques de 85% dos medicamentos estão baixos.

Muitos venezuelanos têm cruzado as fronteiras do seu país com a Colômbia e com a Brasil para comprar remédios e buscar tratamento médico. Uma recente pesquisa citada pela BBC mostrou que 75% dos venezuelanos disseram que sua saúde piorou e que estão fazendo menos de duas refeições por dia.

Violentos protestos contra o governo do presidente Nicolás Maduro têm ocorrido com frequência nas principais cidades da Venezuela há mais de um mês. A oposição acusa o governo de não conseguir lidar com os problemas econômicos que atingem o país há vários anos.

Fontes:
BBC Brasil - Em meio a crise, Venezuela tem aumento acentuado de mortalidade infantil e de mulheres no parto

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *