Início » Internacional » Doenças erradicadas reaparecem na Venezuela
CRISE ECONÔMICA

Doenças erradicadas reaparecem na Venezuela

Escritório regional da OMS aponta que a crise no país provocou o colapso do sistema de saúde e a fuga de médicos

Doenças erradicadas reaparecem na Venezuela
'Fuga' de médicos prejudica de forma significativa o sistema de saúde venezuelano (Fonte: Reprodução/Pixabay)

Documentos internos da Organização Pan-americana de Saúde (Opas), o escritório regional da Organização Mundial de Saúde (OMS), apontam que a crise econômica na Venezuela provocou o colapso do sistema de saúde do país.

Ainda de acordo com os documentos da Opas, estima-se que 22 mil médicos — ou um a cada três — deixaram o país, que enfrenta o aumento significativo de novos casos de doenças como aids, malária, tuberculose, sarampo e difteria.

“Uma progressiva perda de capacidade operacional no sistema de saúde, nos últimos cinco anos, foi intensificada em 2017 e 2018, afetando o acesso ao tratamento gratuito e livre acesso a remédios”, aponta a Opas.

Tais dados foram discutidos em um encontro fechado realizada na última semana em Washington. Na ONU, o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, garantiu, no entanto, que a saúde gratuita está garantida na Venezuela.

Os documentos da Opas ressaltam que a “fuga” de médicos prejudica de forma significativa o sistema de saúde venezuelano, afetando o tratamento intensivo, emergências e anestesia. A Opas diz ainda que o sistema de saúde está “sob estresse” e que, além de profissionais, também há déficit de remédios e equipamentos, afetando a capacidade de responder a emergências e a epidemias.

Enquanto o número de novos casos de aids diminuiu no mundo entre 2010 e 2016, na Venezuela houve um aumento de 24% neste mesmo período. Além disso, 69 mil dos 79,4 mil pacientes registrados para receber o coquetel de combate ao HIV no país não conseguiram pegar a medicação neste ano.

O número de casos de tuberculose na Venezuela também vem aumentando de forma significativa. Enquanto em 2014 foram registrados 6 mil casos, dados preliminares do ano passado apontam para 10,1 mil casos da doença no país. A tendência também é de alta para este ano.

Os casos de malária mais do que triplicaram entre 2015 e 2017, passando de 136 mil para mais de 406 mil. O sarampo também se espalhou para todos os 23 estados da Venezuela e para a capital. Também houve o retorno da difteria no país.

Fontes:
Jovem Pan - Crise na Venezuela causa colapso na saúde e doenças erradicadas reaparecem

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. max disse:

    Os Americanos que jogam doenças nos países dos outros para levar o caos, aqui no brasil eles trouxeram; febre aftosa, h1n1 e etc..

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *