Início » Internacional » Dois naufrágios deixam 245 refugiados desaparecidos no Mediterrâneo
CRISE DOS REFUGIADOS

Dois naufrágios deixam 245 refugiados desaparecidos no Mediterrâneo

Naufrágios ocorreram no último fim de semana. Estima-se que mais de mil pessoas já morreram este ano tentando entrar na Europa pelo Mediterrâneo

Dois naufrágios deixam 245 refugiados desaparecidos no Mediterrâneo
Número de pessoas que tentaram a travessia marítima este ano já chega a 43 mil (Foto: Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Organização das Nações Unidas (ONU) disse nesta terça-feira, 9, que 245 pessoas podem ter morrido em dois naufrágios no mar Mediterrâneo enquanto tentavam cruzar a fronteira marítima com a Europa na sexta-feira, 5, e sábado, 6.

Estima-se que mais de 1.300 pessoas já morreram nesse tipo de travessia apenas este ano. A maioria das mortes ocorre na tentativa de entrar na Itália, vindo da Líbia ou Tunísia. Em 2016, 5.098 pessoas morreram tentando fazer essa travessia.

Na sexta-feira à noite, um bote de borracha afundou depois de várias horas no mar, com 132 pessoas a bordo. Destas, 50 foram resgatadas no domingo, e levadas a Pozzallo, na Sicília. Acredita-se que as outras 82 pessoas tenham morrido.

No domingo, outro naufrágio foi reportado, este na costa da Líbia. A International Medical Corps, que trabalha com a agência de refugiados das Nações Unidas, disse que uma mulher e seis homens foram resgatados pela guarda costeira da Líbia, mas estimou que outras 163 pessoas tenham morrido.

Só em 2017, o número oficial de pessoas que tentaram a travessia marítima para a Itália já é de 43.000, a maioria fugindo da guerra e pobreza no norte ou oeste africano.

Em contraste, o fluxo migratório pelo Mar Afegão, da Turquia para a Grécia, diminuiu de forma significante desde que a Turquia e a União Europeia entraram em um acordo, em março de 2016, para tentar conter parte da crise.

Fontes:
The New York Times-245 Migrants Feared Dead in Mediterranean Shipwrecks

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. laercio disse:

    O Brasil tem a obrigação de aprender com esses desastres internacionais que são fruto do descaso daqueles governos com as coisas pequenas que acabaram culminando em grandes problemas!

    Aqui no Brasil há vários pequenos grupos criminais se organizando, sugere-se que amanhã possam criar problemas que atinjam dimensões prejudiciais ao Brasil tão qual o descaso estrangeiros ocasionou para os refugiados de hoje.

    O Brasil tem que aprender que chegou a hora de explorar tudo que temos de recursos, criar uma nova cultura popular baseada no aproveitamento de tudo para que surja recursos para aplicação no estudo técnico científico haja vista que estamos nas mãos de terceiros quanto a manufaturados e manipulados.

    Se não rompermos com o atual estado brasileiro devemos sofrer graves consequências no futuro. Nosso modelo de governo já se mostra falido, está muito claro principalmente para os menos informações que sentem na carne o que os estudados já sabem através das informações da boa mídia

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *