Início » Internacional » Ecologistas versus lobby nuclear
Europa

Ecologistas versus lobby nuclear

Na Grã-Bretanha, o Greenpeace diz que os interesses do setor nuclear podem comprometer o futuro das energias renováveis e o setor nuclear condiciona a construção de uma nova geração de usinas à menor utilização de energia eólica no futuro.

A Francesa EDF e a alemã E.ON, duas das maiores interessadas na construção de novas usinas nucleares, dizem que os esforços para gerar 35% da eletricidade consumida na Grã-Bretanha a partir de fontes renováveis não só estão fadados ao fracasso, mas também impedem que se tente outras possibilidades, como a energia nuclear.

Já os ambientalistas dizem que a energia nuclear não é uma alternativa "verde", porque deixa um "legado mortal" de resíduos radioativos que permanecem perigosos por dezenas de milhares de anos.

Fontes:
Guardian - Green lobby and nuclear groups clash over role of renewable energy

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. ricardo disse:

    "legado mortal", a desatenção. Esse é o maior erro e mortal. Ocorreu na epidemia, nos genocídios e na fome. Nos empreendimentos também é isso, atentos as etapas de produção, chega-se a conciliação e a boa produção da energia, produto e bens.

  2. rosalia disse:

    Os resíduos nucleares podem ser guardados em lical e seguro e a energia não é poluente. Já se descobriu a fusão fria que não tem resíduos radiotivos. Entretanto para desencadear o processo gasta-se ainda mais energia do que a gerada pelo sistema. Espera-se em 20 anos resolver a questão. Que fiquem tranquilos os ambientalistas porque o avanço tecnológico resolverá este caso.

  3. EDVALDOTAVARES disse:

    ENERGIA NUCLEAR SEMPRE METEU MEDO. A obtenção dessa modalidade energética exigiu um mergulho, para o seu conhecimento, no mundo do infinitamente pequeno, não visto, portanto, não objetivamente vivenciado, predominando para dificultar o seu o entendimento a linguagem paradoxal, onde seus componentes têm tendência a existir e recebem a denominação de probabilidades. Nesse mundo, de difícil compreensão, tudo é extravagante, a começar pela sua dimensão infinitesimalmente diminuta, onde reina o contraditório, deixando de existir a matéria que passa a ser representada pela massa que é ao mesmo tempo energia, isto é, partícula e simultaneamente onda vibratória. Como é do conhecimento científico, nesse império de extravagâncias há aprisionado um manancial de alta energia cujo choque de partículas movidas a velocidades próximas da luz libera quantidades estupendas de poderosas energias que podem ser destinadas a destruição, na guerra, ou ao progresso, na paz. Um dos problemas apresentados no emprego da fissão nuclear é o que fazer do refugo ou lixo atômico. Há necessidade de intensificação das pesquisas para o aproveitamento desse rejeito. No Japão, os cientistas do Projeto Kumatori estão trabalhando com a possibilidade de construção de um reator subcrítico (transmutador) que reduza o tempo de vida de resíduos de milhares para centenas de anos, que talvez comece a operar em 2015. Até lá, só resta armazená-los em depósitos nas próprias usinas ou enterrar os reservatórios embaixo de formações rochosas estáveis. Fora essa problemática, o Brasil deve construir outras usinas nucleares. BRASIL ACIMA DE TUDO! SELVA! EDVALDOTAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA-DF.

  4. WELLER MARCOS disse:

    O que existir no Planeta é para ser experimentado e usado; os benefícios distribuídos a todos os povos. A ciência é um bem universal e jamais deveria estar sendo manipulada por pequeno bloco de Nações e não por outras. A energia nuclear, bem conduzida, beneficiará a Humanidade. Tudo vem da transformação, da evolução, e das "ofertas" do próprio Planeta ao Homem. Terrorismo nuclear é não permitir que todos dominem os conhecimentos, pois havendo liberdade do conhecimento científico não teremos mais escravos.Sem escravaturas, certamente, o Planeta nos contemplará com uma vida melhor!
    Adios Muchachos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *