Início » Internacional » EI lucra até US$ 200 milhões por ano com antiguidades saqueadas
COMÉRCIO ILÍCITO

EI lucra até US$ 200 milhões por ano com antiguidades saqueadas

Embaixador russo na ONU afirmou que cerca de 100 mil objetos de importância global estão sob controle do Estado Islâmico

EI lucra até US$ 200 milhões por ano com antiguidades saqueadas
Escultura apreendida nos EUA e devolvida ao Iraque (Fonte: Reprodução/Getty Images)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em carta divulgada nesta quarta-feira, 6, o embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin, afirmou que o Estado Islâmico (EI) na Síria e no Iraque lucra entre US$ 150 milhões e US$ 200 milhões por ano com antiguidades.

Leia também: A sequência de erros que deu origem ao Estado Islâmico

“Cerca de 100 mil objetos de importância global, incluindo 4.500 sítios arqueológicos, nove deles incluídos na lista de Patrimônio Mundial da Unesco, estão sob o controle do Estado Islâmico na Síria e no Iraque”, ressaltou o embaixador.

Churkin afirmou também que o comércio ilícito de objetos saqueados é organizado por uma divisão de antiguidades do EI. Apenas os militantes que têm autorização desta divisão podem escavar, remover e transportar antiguidades.

Ainda de acordo com o embaixador russo, os objetos saqueados são na sua maior parte contrabandeados via território turco. O governo da Turquia não comentou o assunto.

Churkin disse que joias, moedas e outros objetos são levados para a Turquia, onde grupos criminosos produzem documentos falsos sobre a sua origem. “As antiguidades são então oferecidas a colecionadores de vários continentes, geralmente em leilões na Internet em sites como eBay e lojas online especializadas”, ressaltou.

“Recentemente o Estado Islâmico tem explorado o potencial das redes sociais com cada vez mais frequência para cortar o intermediário e vender os artefatos diretamente para os compradores”, afirmou ainda o embaixador russo.

Fontes:
G1 - Estado Islâmico lucra até US$ 200 milhões por ano com antiguidades

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. olbe disse:

    Melhor que eles valorizem e vendam estes objeto é muito melhor do que destrui-los.Algum tempo depois eles serão encontrados e devolvidos, quando eles destroem acabam definitivamente.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *