Início » Internacional » Eleição do Equador ameaça estadia de Julian Assange em embaixada
ELEIÇÕES NO EQUADOR

Eleição do Equador ameaça estadia de Julian Assange em embaixada

Candidato de oposição já ameaçou expulsar o criador do WikiLeaks da embaixada, caso fosse eleito

Eleição do Equador ameaça estadia de Julian Assange em embaixada
O governo de Correa concedeu asilo a Julian em 19 de junho de 2012. Ele vive na embaixada de Londres no país desde então (Foto: Wikimedia)

O resultado da eleição presidencial do Equador, em menos de um mês, poderá ter grandes consequências para o autor do site WikiLeaks, Julian Assange, que está hospedado na embaixada de Londres no país há cinco anos.

No dia 2 de abril, Lenin Moreno, o sucessor do atual presidente esquerdista Rafael Correa, e Guillermo Lasso, candidato de oposição da direita, disputam a presidência do país. O governo de Correa concedeu asilo a Assange em 19 de junho de 2012, o que deu ao presidente a imagem de defensor da liberdade de imprensa em um momento em que ele atacava a imprensa do próprio país.

Mas o asilo de Assange pode terminar se o pleito der vitória a Lasso, que em fevereiro disse que, caso fosse eleito presidente, iria pedir que Assange desocupasse a embaixada em 30 dias.

Lasso estava vários pontos atrás de Moreno quando fez o comentário sobre Assange e a embaixada. Desde então, ele está na liderança, com uma pesquisa do fim de fevereiro colocando-o com uma vantagem de 52,1% a 47,2% sobre Moreno, com 19% dos entrevistados se declarando indecisos.

Depois das pesquisas, Lasso confirmou sua declaração, dizendo também que o governo vai “tomar todos as medidas necessárias para que outra embaixada o acolha e proteja seus direitos”. Ele também lembrou que Assange disse que concordaria com extradição americana se concedido a ele o mesmo perdão concedido à Chelsea Manning, uma ex-soldado americana que vazou centenas de milhares de documentos para o WikiLeaks em 2010, e acabou sendo sentenciada a 35 anos de prisão. Antes de deixar a presidência, Obama concedeu o perdão a Chelsea, garantindo sua libertação em maio de 2017.

Fontes:
Business Insider-Ecuador's presidential election could have big consequences for the fate of Wikileaks’ Julian Assange

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *