Início » Internacional » Eleições nos EUA, em Israel e o acordo de paz com os palestinos
Oriente Médio

Eleições nos EUA, em Israel e o acordo de paz com os palestinos

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A paz em Israel depende mais das atitudes do próximo presidente dos EUA do que da escolha de seu novo primeiro-ministro. As principais dúvidas da maior parte dos israelenses é quando ceder aos palestinos e como fazê-lo com segurança — o que depende do envolvimento norte-americano.

Sempre que um primeiro-ministro de Israel acena com uma possibilidade de um acordo de paz com os palestinos, algo dá errado. Yitzhak Rabin foi assassinado; Shimon Peres não foi reeleito; Ariel Sharon sofreu um derrame quando estava prestes a ceder terras; Ehud Olmert se deixou arrastar para uma desastrosa guerra no Líbano; a primeira-ministra designada Tzipi Livni, que tinha começado a negociar com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, não conseguiu formar um novo governo após a renúncia de Olmert.

Como resultado, Israel vai realizar uma eleição antecipada, em fevereiro. Embora pesquisas iniciais indiquem que Tzipi está à frente, há uma boa chance de os israelenses escolherem o ex-primeiro-ministro Binyamin Netanyahu. Com isso, o processo de paz fica temporariamente suspenso.

Fontes:
Economist - Elections in Israel: Tzipi or Bibi?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Bruno disse:

    Parece que de certa forma, as pessoas estão divididas em Israel. O governo de Bush (republicano) investiu pesado na "guerra contra o terror" promovida por grupos extremistas islâmicos. Agora com a eleição de Obama (democrata) é bem provável que os gastos com guerra no oriente médio serão cortados. Infelizmente essas negociações de paz, são só ilusão. Quem segue o islamismo quer tomar posse da terra santa(principalmente Jerusalém) a força se necessário. E não medem consequências pra conquistar esse objetivo. O engraçado (se não fosse trágico) é que Jerusalém nem é citada no livro deles chamado Alcorão.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *