Início » Internacional » Em carta, Fidel diz não confiar nos EUA, mas não rejeita reaproximação
EUA-CUBA

Em carta, Fidel diz não confiar nos EUA, mas não rejeita reaproximação

Fidel Castro se manifestou pela primeira primeira vez sobre o tema e disse ser a favor de qualquer solução pacífica para as diferenças entre Havana e Washington

Em carta, Fidel diz não confiar nos EUA, mas não rejeita reaproximação
Fidel em janeiro de 2014, sua última aparição pública. Carta do presidente foi enviada à Federação Estudantil Universitária (Foto: Reprodução/AFP)

O ex-presidente cubano Fidel Castro se manifestou sobre a retomada de relações entre Cuba e EUA. Ainda sem aparecer publicamente, Fidel enviou uma carta para a Federação Estudantil Universitária. O conteúdo da carta foi revelado pela TV cubana. Fidel disse não confiar na política americana, mas não condenou a reaproximação.

“Não confio na política dos Estados Unidos, nem troquei uma palavra com eles, sem que isso não signifique uma rejeição a uma solução pacífica dos conflitos”, afirmou Fidel.

A carta tem duas páginas e contém referências autobiográficas e reflexões sobre a política nacional e mundial, apenas os dois últimos parágrafos são destinados à opinião de Fidel sobre a reaproximação histórica. O texto é datado de 26 de janeiro de 2015.

“Qualquer solução pacífica e negociada dos problemas entre os Estados Unidos e as pessoas ou quaisquer povos da América Latina, que não implique força ou a utilização da força, deverá ser tratada de acordo com os princípios e as normas internacionais. Defenderemos sempre a cooperação e a amizade com todos os povos do mundo e, entre eles, e os dos nossos adversários políticos. Isto é o que estamos pedindo a todos”, explicou o ex-presidente.

Ainda na carta, Fidel elogiou o trabalho realizado pelo seu irmão, Raúl Castro, atual presidente cubano. Fidel disse que as atitudes tomadas por ele são coerentes ao que prega a Assembleia Nacional e o Partido Comunista de Cuba.

A última aparição pública de Fidel aconteceu no dia 8 de janeiro de 2014, quando ele foi à abertura de uma exposição de arte em Havana. Seu silêncio, até o momento, sobre a reaproximação entre os países havia aumentado a especulação sobre seu falecimento.

Fontes:
O Globo-Fidel Castro rompe o silêncio e diz: ‘Não confio nos EUA’

1 Opinião

  1. Joaquim Caldas disse:

    Fidel,esse velho podre,pensa que seu galinheiro é cheiros,pois exala uma fedentina à toda as Américas.Os EEUU se bloqueasse Cuba,Fidel não estaria vivo.Cuba uma ilha tão pequena,mas de uma fedentina sem dimensão.Cuba ensina invasões aos países democratas do continente americano e africano,defende interesses da NOM.Vejam os casos de Sadam,Arafat,Gadaff,todos eliminados por não obedecer aos critérios da NOM.Assim segue o Brasil dos arapongas…

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *