Início » Internacional » Em Darfur, estupro é instrumento de guerra
Internacional

Em Darfur, estupro é instrumento de guerra

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um novo relatório sobre a crise na região de Darfur, no oeste do Sudão, identificou o estupro como uma arma sistematicamente usada para limpeza étnica pela milícia árabe Janjaweed, apoiada pelo governo.

Além disso, o estudo afirma que as leis sudanesas descriminam as mulheres vítimas da violência, que enfrentam assédio e intimidação nas delegacias de polícia locais se tentarem denunciar o crime. Uma vítima contou que seu estuprador disse: “Eu vou fazer um filho branquinho em você”.

O relatório chamado “Leis sem Justiça: uma avaliação das Leis Sudanesas Afetando os Soberiventes de Estupros” foi elaborado pelo grupo humanitário Refugiados Internacionais.

Fontes:
Washington Post - Janjaweed Using Rape as Integral Weapon in Darfur, Aid Group Says

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

5 Opiniões

  1. Dorival Silva disse:

    Os governos ocidentais e a ONU têm feito alguns discursos a respeito, mas não passam disso. Deviam invadir o Sudão e acabar com esse massacre. Acontece que lá não tem petróleo…

  2. Sueli disse:

    Amigos, faço minhas as palavras do Prêmio Nobel da Paz, Albert Schwwitzer:
    "Quando o homem aprender a respeitar até o menor ser da Criação, seja animal ou vegetal…ninguém precisará ensiná-lo a amar seu semelhante"

    O que temos visto, ano após ano, total desrespeito ao nosso Planeta, a degradação e o massacre de seres humanos tão indefesos! Então…

  3. E. Coelho disse:

    É lamentável o silêncio dos defensores dos direitos humanos. Até parece que eles somente defendem os bandidos.

  4. Luiz Henrique Paz disse:

    Intervenção deve ser realizada atraves do Conselho de segurança da ONU, por maior que seja a tragégia (Somalia, Ruanda, Etiopia…)deve haver uma coordenação maior, alem dos interreses das partes envolvidas. Atualmente quem deseja a intervenção? e quem a rejeita? quem vai ganhar e quem vai perder? o certo que um imenso contingente de pessoas passa por privações, violações de seus direitos mais elementares. E até que se decida as questões acima continuaremos a assistir e ficar horozidos com as noticias que vão chegar do Sudão, Iraque, Congo e …

  5. Paula Toledo disse:

    Realmente isso e revoltante o pior é que se forem denunciar os abusos podem sofrer assedio nas delegacias deve ser horrivel se sentir se saída!!

    Realmente concordo com o E. Coelho que escreveu acima!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *