Início » Internacional » Entenda a crescente tensão entre Coreia do Sul e Japão
IMPASSE COMERCIAL

Entenda a crescente tensão entre Coreia do Sul e Japão

Restrição do Japão à exportação de insumos cruciais para a indústria tecnológica sul-coreana aprofunda tensão entre os países

Entenda a crescente tensão entre Coreia do Sul e Japão
Relação é marcada pela desconfiança desde a dominação japonesa, entre 1910 e 1945 (Foto: Montagem/Kremlin.ru)

Uma relação estável, mas com uma ferida constantemente incômoda. Assim pode ser descrita a relação entre Coreia do Sul e Japão, países vizinhos e potências mundiais. Agora, desde o início deste mês, uma crescente tensão comercial tem abalado essa relação.

A “ferida” data de 1910, quando a Coreia do Sul foi anexada ao território japonês após anos de guerra – uma dominação que se estendeu até 1945. Nos anos que se seguiram após o fim da dominação japonesa, Tóquio se desculpou pelas atrocidades cometidas no período em diversas ocasiões. A mais recente foi em 2015, quando os países assinaram um acordo sobre as “mulheres de conforto” – escravas sexuais, em grande parte menores de idade, que “serviam” aos militares japoneses.

Apesar de acabar, por fim, aceitando as desculpas japonesas, a Coreia do Sul nunca se satisfez. No início deste mês, a Suprema Corte do país ordenou que a empresa japonesa Mitsubishi Heavy Industries compensasse os sul-coreanos que foram forçados a trabalhar na companhia durante o período colonial, o que irritou o governo japonês. Tóquio afirma que todas as dívidas de guerra foram resolvidas no Tratado de Relações Básicas de 1965.

Após a decisão judicial, Tóquio respondeu restringindo as exportações de insumos japoneses usados na fabricação de semicondutores, o que atinge diretamente a forte indústria tecnológica da Coreia do Sul. Para exportarem os materiais, os interessados precisam, agora, solicitar uma licença ao governo japonês, o que pode levar 90 dias para ser aprovada.

Os sul-coreanos acusam os japoneses de adotarem essas medidas como uma espécie de retaliação à decisão judicial. O Japão, por sua vez, alega que a limitação da exportação é devido ao frouxo sistema da Coreia do Sul para o controle de bens que podem ser desviados para fins militares.

“Todos os motivos levantados pelo Japão para sua restrição contra a Coreia do Sul, como a falta de controle de exportação ou a confiança minada entre os dois países, são infundados”, afirmou o ministro do Comércio, Indústria e Energia da Coreia do Sul, Sung Yun-mo.

A tendência é que o Japão expanda as restrições, o que pode afetar até mil itens. Dessa forma, a Coreia do Sul seria retirada de uma espécie de “lista branca”, que conta com importadores confiáveis. Seul tenta evitar que essas limitações sejam impostas, mantendo conversas frequentes com o governo japonês.

No início desta quarta-feira, 24, o Ministério do Comércio, Indústria e Energia enviou uma carta de 20 páginas para Tóquio solicitando que as restrições às exportações dos insumos sejam retiradas. No texto, a Coreia do Sul destacou que a ação japonesa viola regras da Organização Mundial do Comércio (OMC), que pode ser acionada.

“A medida aumentará os regulamentos de exportação contra a Coréia do Sul. […] Este é um grave evento que prejudica a estreita parceria econômica de Seul e Tóquio que dura há mais de 60 anos. […] Isso prejudicará não apenas as empresas sul-coreanas, mas também as empresas japonesas. […] A Coreia do Sul e o Japão deveriam criar um sistema de livre comércio igual e mutuamente benéfico”, aponta a carta, segundo noticiou a agência de notícias Yonhap.

Os sul-coreanos, por sua vez, também se envolveram no impasse comercial. Os cidadãos do país estão promovendo boicotes a diferentes produtos japoneses, incluindo carros, produções culturais e, até mesmo, pacotes de viagens para o Japão. De acordo com o Guardian, as reservas de viagens já caíram cerca de 70%, enquanto cancelamentos de viagens de feriados pré-agendadas reduziram 50%.

O mais recente alvo dos sul-coreanos é a indústria automobilística japonesa. Estão sendo convocados boicotes contra proprietários de carros japoneses, sugerindo que os postos de gasolina se recusem a abastecer veículos fabricados no Japão. Já as garagens de mecânica estariam se recusando a consertar carros japoneses. Honda, Nissan, Mitsubishi, Toyota e Suzuki são exemplos de grandes marcas da indústria automobilística japonesa.

Movimentação internacional

As tensões comerciais entre os países preocuparam aliados e associações internacionais. Os Estados Unidos, através do conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, defendeu o diálogo entre Coreia do Sul e Japão para resolver a questão. Bolton também destacou a importância de uma colaboração trilateral entre Washington, Tóquio e Seul para alcançar a desnuclearização na Coreia do Norte.

Pelo menos cinco organizações econômicas pediram ao governo japonês para que a Coreia do Sul não seja retirada da “lista branca”. Já a Associação da Indústria de Semicondutores e outros grupos, por meio de uma carta enviada a ministérios sul-coreanos e japoneses, pediram para que os países busquem um entendimento.

“Mudanças não-transparentes e unilaterais nas políticas de controle de exportação podem causar interrupções na cadeia de fornecimento, atrasos nas remessas e, em última análise, prejuízos para as empresas que operam dentro e fora de suas fronteiras e os trabalhadores que empregam”, destacou o texto.

Fontes:
The Washington Post-Why Japan-South Korea history disputes keep resurfacing
History-How Japan Took Control of Korea

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. José Amaral Neto disse:

    Agora está explicado os diálogos cirúrgicos em relação ao Japão na recém lançada série Designated Survivor Korea na Netflix

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *