Início » Internacional » Envenenamento de espião russo pode mudar as regras pós-Guerra Fria
TENTATIVA DE ASSASSINATO

Envenenamento de espião russo pode mudar as regras pós-Guerra Fria

Se comprovada a ligação do Kremlin na tentativa de assassinato do espião Sergei Skripal, o caso representa uma violação nas regras que regem o mundo da espionagem

Envenenamento de espião russo pode mudar as regras pós-Guerra Fria
Sergei Skripal e a filha, Yulia, estão internados em estado crítico em um hospital de Salisbury (Foto: Facebook/ Yulia Skripal)

Em 4 de março, uma tranquila tarde de domingo, um homem e uma mulher passaram em frente a uma academia de ginástica no shopping center Maltings em Salisbury, Inglaterra. Pouco depois, a polícia recebeu uma ligação avisando que havia um casal inconsciente em um banco próximo. O homem, Sergei Skripal, um ex-agente do Departamento Central de Inteligência da Rússia (DCIR), condenado em seu país por espionagem, morava no Reino Unido desde que fora incluído em uma troca de espiões em 2010. Segundo exames médicos, ele e a filha, Yulia, foram envenenados com uma substância desconhecida. Os dois estão internados em estado grave em um hospital de Salisbury.

Embora a investigação ainda esteja no início, a suspeita recai no Kremlin. O incidente gerou comparações com o assassinato de Alexander Litvinenko em Londres, em 2006. Litvinenko, um ex-agente do serviço de inteligência russo e opositor do regime de Vladimir Putin, morreu por envenenamento com polônio, uma substância radioativa colocada em seu chá. O inquérito policial revelou que seu assassinato tinha sido “provavelmente” aprovado por Putin.

Skripal, que tinha ascendido ao posto de coronel no serviço de inteligência militar russo, foi condenado em 2006 a 13 anos de prisão pela divulgação de informações ao serviço de inteligência britânico (M16) sobre a identidade de espiões russos que operavam na Europa. Durante o julgamento, o Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) disse que Skripal havia sido recrutado pelo M16 em 1995 e que continuara suas atividades de agente duplo depois de desligar-se do exército em 1999. O FSB comparou a gravidade de seus vazamentos às informações de Oleg Penkovsky, um espião russo que colaborou com os serviços secretos dos EUA e do Reino Unido até ser descoberto e executado em 1963. Skripal teve um destino melhor do que Penko e foi incluído em uma troca com dez agentes russos capturados nos EUA.

Se for comprovado que Skripal foi envenenado por ordem do governo russo, sua tentativa de assassinato representa uma “violação” nas regras que regem o mundo obscuro da espionagem, disse Mark Galeotti, especialista em serviços de segurança russa no Instituto de Relações Internacionais de Praga.

Ao contrário de Litvinenko, um desertor, Skripal teve sua pena perdoada pelo governo da Rússia. E, assim como outros antigos espiões, ele vivia de maneira bem discreta. Ex-agentes de inteligência suspeitam que Skrypal tenha sido encontrado por intermédio da filha, que viaja com regularidade entre a Rússia e o Reino Unido.

Outro envenenamento em território britânico causaria vários problemas para as autoridades. Por um lado, questionaria a capacidade do Reino Unido de garantir a segurança de antigos espiões. Por outro, exigiria uma resposta enérgica do governo.

As relações com a Rússia começaram a deteriorar-se após o assassinato de Litvinenko e pioraram depois da crise da Ucrânia e da intervenção militar da Rússia na Síria. Impor mais sanções às autoridades do alto escalão russo teria pouco efeito sobre o comportamento do governo russo. O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, ameaçou fazer um boicote diplomático à Copa do Mundo na Rússia caso fique comprovado o envolvimento do Kremlin no envenenamento do ex-espião. Agora, é preciso aguardar o resultado das investigações sobre as circunstâncias que cercam um acontecimento tão misterioso até tomar medidas mais objetivas.

Fontes:
The Economist-A former Russian spy’s collapse could signal a rewriting of cold-war rules

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *