Início » Internacional » Erros são comuns
Hospitais americanos

Erros são comuns

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Por mês, cerca de 100 habitantes da Califórnia são prejudicados por erros médicos considerados evitáveis. Entre julho de 2007 e maio deste ano foram 1.002 casos de graves danos à saúde causados por enganos cometidos nos hospitais do estado.

Em novembro do ano passado, uma radiografia atribuída por engano a um paciente resultou na remoção desnecessária do seu apêndice. Em março deste ano, uma mulher de 76 anos morreu depois que uma enfermeira lhe deu remédios que não haviam sido receitados pelo médico.

Em pelo menos sete estados dos EUA já existem esforços no sentido de criar leis que isentam os pacientes lesados de arcar com os custos do atendimento que resultou em erro médico, e também do tratamento dos problemas de saúde decorrentes do erro.

Fontes:
LA Time - Serious patient errors at California hospitals disclosed in state filings

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Arlon Borges disse:

    Se lá isso acontece, imagine aqui… deve ser bem pior.

  2. heloisa disse:

    Arion tem razão, porém temos um dado a mais: aqui o acesso ao médico e ao tratamento é infinitamente menor. Assim os médicos ficam mais a salvo de erros, mas a população morre mais

  3. Miguel Arthur disse:

    Aqui, padecemos de um mal maior: O descaso com a saúde. Péssimas condições de trabalho, má remuneração de profissionais (incluindo médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem etc…), jornadas de trabalho excessivamente longas (consequência da remuneração deficiente que obriga aos profissinais a terem vários sub-empregos), falta de medicamentos, falta de leitos hospitalares suficientes, formação profissional (em todos os níveis) deficiente e mal fiscalizada; política de saúde ineficaz e corrompida…
    … erros de atendimento…pura consequência!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *