Início » Economia » Escassez da terra voltou a ser uma ameaça ao crescimento econômico
Economia

Escassez da terra voltou a ser uma ameaça ao crescimento econômico

A terra é o centro vital da economia pré-industrial. Os países do Ocidente tiveram que aprender a lidar com a sua escassez

Escassez da terra voltou a ser uma ameaça ao crescimento econômico
Os fisiocratas na França consideravam a terra como a principal fonte de riqueza (Reprodução/BarryDownard)

Na evolução da história da economia, o problema da escassez ou da distribuição da terra assumiu um papel menos determinante no crescimento econômico. No século XVIII, os fisiocratas na França consideravam a terra como a principal fonte de riqueza. Segundo Adam Smith, a terra, o trabalho e o capital eram os três fatores de produção que geravam bens e serviços. Pouco depois, na opinião de Thomas Malthus, diante do crescimento demográfico exponencial, a escassez inata da terra teria uma influência decisiva em uma eventual catástrofe econômica.

Em vez de sucumbir à catástrofe, os países do Ocidente aprenderam a lidar com a escassez da terra, algumas vezes com soluções criativas como arranha-céus, fertilização artificial, ferrovias, projetos habitacionais nas periferias das cidades e, em outras, com medidas desprezíveis como a desapropriação de terras dos oprimidos e colonizados. O aperfeiçoamento dos meios de transporte permitiu a exploração de terras mais distantes, seja com a produção de colheitas em diversos lugares no mundo, ou com a construção de moradias para os trabalhadores nos arredores dos centros urbanos. Com o aumento da produtividade, a agricultura concentrou-se em um número menor de fazendas.

No entanto, apesar dessas medidas, a escassez da terra em lugares específicos como as cidades, responsáveis por uma quantidade desproporcional da produção mundial, voltou a ser uma ameaça ao crescimento econômico. O preço elevado da terra nesses lugares é uma evidência inquestionável de sucesso. Mas, ao mesmo tempo, é o resultado de distorções com um alto custo para a economia global. De acordo com uma estimativa, desde a década de 1960 essas distorções têm reduzido o PIB dos Estados Unidos em mais de 13%.

Fontes:
Economist-The paradox of soil

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *