Início » Internacional » Espanha, Grã-Bretanha e o voto pela independência
sonho de independência

Espanha, Grã-Bretanha e o voto pela independência

As diferenças e semelhanças entre a independência escocesa e a catalã

Espanha, Grã-Bretanha e o voto pela independência
David Cameron e o chefe do governo escocês, Alex Salmond. Escócia terá referendo sobre independência em 2014 (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em 2014 a Escócia terá um referendo sobre a independência do país, unido à Grã-Bretanha há 305 anos. A notícia causou inveja aos catalães, que tentam sua emancipação da Espanha. O governo espanhol alega que a Catalunha deve respeitar a constituição, que torna ilegal a realização de um referendo sobre a independência.

Os britânicos, por outro lado, resolveram adotar uma postura mais pragmática e ousada, permitindo que os escoceses organizem um referendo sobre o futuro do país, com a condição de que a independência deve ser a única pergunta na cédula.

Assim como Mariano Rajoy, primeiro-ministro espanhol, David Cameron também é um patriota conservador que não está muito confortável com a ideia da independência escocesa. Porém, mostrou sabedoria ao reconhecer que, após os nacionalistas escoceses ganharem o poder em Edimburgo, eles conquistaram o direito democrático de realizar um referendo sobre a emancipação. O curioso é que uma pesquisa de opinião recente mostrou que o apoio à independência escocesa é mais forte na Inglaterra do que na própria Escócia.

Tanto a Escócia como a Catalunha usaram a União Europeia para reforçar o discurso de independência, afirmando que a independência não trará isolamento, pois os novos países farão parte da União Europeia. Os escoceses argumentam que a hostilidade à UE é muito mais presente na Inglaterra do que na Escócia. Uma pesquisa mostrou que 60% dos ingleses apoiam a saída do país da União Europeia, ação aprovada por 50% dos escoceses.

Contudo, a crise do euro fez os nacionalistas escoceses desviar o foco do discurso da União Europeia. Eles afirmam que não desejam adotar o euro, mas sim manter a libra como moeda.

A independência da Escócia não traria grandes problemas para a Inglaterra, pois os escoceses representam 5,2 milhões do total de 62 milhões de britânicos. Além disso, a economia escocesa continuaria dependente da inglesa. Já os catalães representam 7,3 milhões do total de 47 milhões da população espanhola e detêm uma das regiões mais ricas do país. A emancipação da Catalunha seria um golpe terrível para a Espanha.

De qualquer forma, o governo espanhol deveria deixar de se esconder atrás de leis e permitir que a Catalunha realize um referendo. Afinal de contas, nenhum casamento saudável sobrevive simplesmente por tornar o divórcio ilegal.

Fontes:
Financial Times-Spain, Britain and votes on independence

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *