Início » Vida » Comportamento » Estado indiano proíbe abate de bois e posse de carne bovina
Índia

Estado indiano proíbe abate de bois e posse de carne bovina

A proteção ao gado do país é uma medida popular, mas o setor de exportações de carne também reivindica medidas protecionistas

Estado indiano proíbe abate de bois e posse de carne bovina
A maioria da população da Índia é vegetariana e, entre os não vegetarianos, grande parte evita o consumo de carne bovina (Reprodução/Internet)

A proibição do abate de bois e novilhos, e da posse de carne bovina no início do ano no estado de Maharashtra, foi uma má notícia para os que, em sua maioria muçulmanos, comercializam o couro e os cortes baratos de gado no estado. Mas não foi uma surpresa. Maharashtra é liderado pelo Bharatiya Janata Party (BJP), ou Partido do Povo Indiano, que com essa medida espera agradar seus eleitores indianos.

Mais surpreendente foi a declaração em 29 de março do ministro do Interior da Índia. Ao lado dos líderes religiosos que haviam reivindicado a proibição de exportação de carne bovina, o ministro disse que tentaria proibir o abate de gado no país inteiro. Em seguida, em 6 de abril, as palavras do procurador-geral do estado de Maharashtra inspiraram medo nos carnívoros. “Essa proibição é apenas o começo”, disse. “Pensamos em proibir também o abate de outros animais.”

A maioria da população da Índia é vegetariana e, entre os não vegetarianos, grande parte evita o consumo de carne bovina. No entanto, as exportações de carne na Índia cresceram dez vezes mais na última década. Hoje, o país é o segundo exportador de carne no mundo, logo atrás do Brasil. O paradoxo da proibição do abate de gado é resultado de uma ambiguidade crucial: “carne” na Índia pode referir-se à carne de gado ou de búfalo, mas os búfalos na Índia não têm o mesmo status sagrado das vacas. A partir do momento em que o governo incentivou os fazendeiros a criar búfalos e a matá-los para consumo, atualmente a carne de búfalo representa mais de 95% das exportações de carne do país.

Fontes:
Economist-The pink and the saffron

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *