Início » Internacional » Estado Islâmico cria canto em mandarim para recrutar chineses
PROPAGANDA JIHADISTA

Estado Islâmico cria canto em mandarim para recrutar chineses

Grupo extremista divulga canto em mandarim convocando chineses para lutar com os jihadistas. Ainda não se sabe o grupo étnico que eles que querem atingir

Estado Islâmico cria canto em mandarim para recrutar chineses
A canção em mandarim tem letras que exaltam a morte em serviço do Islã (Foto: Wikipedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Duas semanas após a primeira execução conhecida de um refém chinês, o grupo extremista Estado Islâmico (Isis) publicou um canto de guerra em mandarim que convoca muçulmanos chineses – ou pelo menos os homens muçulmanos – a se juntarem aos terroristas.

A canção de quatro minutos foi publicada pelo centro de mídia Al-Hayat, órgão ligado ao Isis, e distribuída através do Twitter e do aplicativo de mensagens Telegram no último domingo, 6, de acordo com o grupo de inteligência SITE, que monitora as atividades de grupos radicais online. Assim como muitos cânticos do grupo, conhecidos como Nasheeds, a canção é minuciosamente produzida e hipnoticamente infecciosa, com letras que exaltam a morte em serviço do Islã.

“Nós somos Mujahid (Jihadistas), nossos inimigos sem vergonha têm medo antes de nós”, diz uma voz masculina, realçada com efeitos digitais, no refrão. “Nosso sonho é morrer lutando no campo de batalha”.

Os esforços de recrutamento por grupos jihadistas no Oriente Médio deixam em alerta os países mais populosos do mundo, mas é raro que esse tipo de material apareça em mandarim. A porta-voz do ministro do Exterior chinês Hua Chuying disse para a imprensa na última segunda-feira, 7, que ela não está preocupada com a canção. “Nós acreditamos que podemos proteger os cidadãos de qualquer país através da cooperação internacional”, disse a porta-voz.

Não está claro quem o grupo extremista está tentando atingir. O grupo étnico Hui na China – que é predominantemente muçulmano e em números tem mais de 10 milhões – é falante de mandarim, mas tradicionalmente tem praticado o islamismo moderado. Mandarim também é uma das línguas dominantes por jovens uigures, outro grupo muçulmano do país.

Fontes:
Wall Street Journal-ISIS Releases Slickly-Produced Mandarin Song Seeking Chinese Recruits

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *