Início » Internacional » Estado Islâmico divulga vídeo de decapitação de refém japonês
Refém executado

Estado Islâmico divulga vídeo de decapitação de refém japonês

Kenji Goto é o segundo refém japonês degolado pelo grupo. Jordânia negocia a libertação de um piloto que está em poder dos jihadistas

Estado Islâmico divulga vídeo de decapitação de refém japonês
Prazo dado pelo ISIS ao Japão e à Jordânia expirou, e Goto foi decapitado (Reprodução/Youtube)

O grupo radical Estado Islâmico (ISIS) divulgou no último sábado, 31, um vídeo mostrando a execução do jornalista japonês, Kenji Goto, há três meses mantido refém pelo grupo.

Leia mais: Jordânia aceita libertar terrorista em troca de piloto preso pelo Estado Islâmico
Leia mais: Estado Islâmico propõe troca de prisioneiros

Sequestrado em outubro do ano passado, Goto apareceu recentemente em um vídeo do grupo com outro refém japonês, o empresário Haruna Yukawa, degolado na semana passada. A libertação de outro refém, o piloto jordaniano Muath al-Kasasbeh, ainda está sendo negociada.

Inicialmente, o ISIS exigiu US$ 200 milhões pela libertação dos dois reféns. A quantia é a mesma que o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, se comprometeu a doar para a coalizão ocidental contra os jihadistas.

Diante da negativa do governo japonês em pagar o resgate, o ISIS executou Yukawa. O grupo então afirmou que libertaria Goto, se o Japão negociasse com a Jordânia a libertação da jihadista iraquiana Sajida al-Rishawi, condenada à morte na Jordânia por tentar atacar um hotel em Amã, em 2005. O grupo deu quatro dias de prazo para a libertação de Sajida. Na semana passada, representantes dos governos japonês e jordaniano se reuniram para discutir a proposta.

A Jordânia anunciou que só libertaria Sajida, se o grupo desse provas de que o refém jordaniano ainda está vivo. Como o prazo dado pelo ISIS expirou, Goto foi decapitado. A Jordânia ainda pretende negociar a libertação do piloto.

Fontes:
BBC-Japão condena 'Estado Islâmico' por morte de jornalista; Jordânia tenta libertar refém

4 Opiniões

  1. André Luiz D. Queiroz disse:

    washington,
    Existem artefatos nucleares de variado poder destrutivo — desde bombas/mísseis com alguns kilotons, lançados por aviões bombardeiros táticos (como o B-2, com capacidade ‘stealth’) até os grandes mísseis intercontinentais, com ogivas termonucleares (‘bombas H’), lançados a partir de submarinos, etc. Sim, em anos recentes os tratados de não proliferação nuclear diminuíram o arsenal americano e russo (muito mais do segundo) — mas ainda existe “capacidade de dissuasão nuclear” de montão, ainda mais considerando que França, Reino Unido, Israel, China, Índia e Paquistão, todos eles têm comprovada capacidade nuclear (para citar apenas aqueles conhecidos…)! O problema de usar/não usar armas nucleares não é por limitações técnicas relacionadas ao tamanho da destruição que se quer produzir, e sim por fatores única e exclusivamente políticos.
    Agora: essa de dizer que “o imundo ocidente tem culpa no ke (sic) acontece” é um discurso de ‘vitimização do criminoso’ que não cola, nem quando vindo de ditos ‘intelectuais de esquerda’ que, ao menos, não agridem a língua portuguesa! Então, eu repito o seu próprio conselho: vá você estudar mais (Português, principalmente!), vá se informar mais (geopolítica, história, ciência…), e depois você escreve! Ok?

  2. washington disse:

    VC não pode usar arma atômica,já ouviu falar de proliferação nuclear’alias não se pode punir um povo inteiro,por conta de uma.minoria,agora o imundo ocidente tem culpa no ke acontece,as guerras dos usa e união européia levaram nesses paises e ke criou tais grupos.vai estudar e depois VC fala

  3. André Luiz D. Queiroz disse:

    Luiz,
    Pra ser honesto, eu também me pergunto por que as forças de coalizão que combatem o EI não recorrem a artefatos nucleares, ou outros de alto poder destrutivo. Seria para preservar as populações civis sob domínio dos terroristas? (duvido…!). Uma coisa é certa: do jeito que está, uma ‘solução’ militar teria que ser ela aniquilação total do inimigo. Nem pensar em ocupação à semelhança do que foi tentado no Iraque e Afeganistão. Aliás, muitos consideram que o Estado Islâmico é, de certa forma, cria da ocupação americana no Iraque! Ou melhor, da retirada das forças americanas do Iraque, antes que o país tivesse voltado a uma mínima capacidade de auto gestão…

  4. Luiz disse:

    Joga uma bomba atômica neste pessoal.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *