Início » Internacional » EUA cobram maior atuação da Turquia contra o ISIS
Oriente Médio

EUA cobram maior atuação da Turquia contra o ISIS

O rápido avanço dos jihadista e a grande adesão de ocidentais preocupa autoridades

EUA cobram maior atuação da Turquia contra o ISIS
John Allen tentará fazer com que a Turquia amplie seus esforços na luta contra o ISIS - KHALED DESOUKI / AFP (Reprodução/KHALED DESOUKI/AFPGeneral)

O governo dos Estados Unidos solicitou à Turquia que aumente os esforços para evitar avanços do grupo jihadista (ISIS). “São necessárias medidas urgentes para deter as capacidades militares do Estado Islâmico, e o general John Allen, juntamente com o embaixador Brett McGurk dirão isso claramente nas suas reuniões com autoridades turcas em Ancara”, afirmou a porta-voz do Departamento de Estado americano, Jennifer Psaki.

Leia mais: ISIS avança na Síria e faz crescer pressão por uma ação por terra
Leia mais: ISIS usa controla da água como arma de guerra no Iraque

A urgência do combate ao ISIS se justifica na rápida ascensão do Estado Islâmico, que, associada aos ataques aéreos da coalizão liderada pelos Estados Unidos na Síria e no Iraque, vem ampliando o apoio à causa do grupo extremista. Com uma campanha amparada por uma estratégia nas redes sociais, o grupo tem atraído jovens de todo o planeta.

“Primeiro foi o Afeganistão e os talibãs. Depois disso, a Al Qaeda, o Iraque, e agora temos o Estado Islâmico, que é vista como a mais importante das organizações islamistas. O grupo se converteu no representante da resistência muçulmana contra poderes ocidentais como os Estados Unidos”, explica Marina Ottaway, especialista do Wilson Center.

Outros grupos islamistas passaram a oferecer apoio ao ISIS, que pretende estabelecer um califado islâmico no Iraque e na Síria. “Continuaremos enviando combatentes para ajudar os militantes do Estado Islâmico. Nós os apoiamos completamente porque acreditamos que essa organização nasceu para servir ao Islã”, afirmou Shahidula Shahid, porta-voz do grupo paquistanês Tehreek-e-Taliban Pakistan (TTP), ligado ao Talibã.

Normas para atuação de jornalistas

O grupo extremista publicou uma lista com 11 regras que deverão ser seguidas pelos profissionais da imprensa que atuam na região. O regulamento é taxativo sobre as atribuições dos jornalistas, que passarão a ser supervisionados pelo grupo, que também fará a análise do conteúdo elaborado.

Uma das normas destaca que os jornalistas podem escrever para as agências Reuters, AFP e AP, mas devem evitar todas as cadeias internacionais e locais de televisão.

Regulamento:

1 – Os correspondentes devem jurar aliança ao califa (Abu Bakr) al Baghdadi, são súditos do EI e, como tais, devem jurar lealdade a seu imã.

2 – Seu trabalho deverá estar sob a exclusiva supervisão dos escritórios de imprensa do EI.

3 – Os jornalistas podem trabalhar diretamente com agências internacionais (Reuters, AFP, AP), mas têm que evitar todas as cadeias internacionais e locais de televisão. Ficam proibidos prover qualquer material exclusivo ou ter contato com estas cadeias, em qualquer situação.

4 – Os jornalistas estão proibidos de trabalhar com as televisões na lista negra do EI (al Arabiya, al Jazeera e Orient), que lutam contra os países islâmicos.

5 – Os jornalistas têm permissão para cobrir eventos na região por escrito ou com imagens se entrarem em contato com os escritórios de imprensa do EI. Todas as fotos e textos publicados deverão ter o nome do autor.

6 – Os jornalistas não poderão publicar nada sem passar antes pelo escritório de imprensa do EI.

7 – Os jornalistas podem ter suas próprias contas em redes sociais e blogs para difundir notícias e imagens. Entretanto, o escritório de imprensa deverá ter os endereços eletrônicos e nomes das contas e páginas.

8 – Os jornalistas deverão cumprir as normas e evitar filmar lugares ou eventos de segurança onde estejam proibidos.

9 – O EI vai acompanhar os trabalhos de jornalistas nos veículos locais e nacionais.

10 – Todas estas normas podem mudar, dependendo das circunstâncias e do grau de cooperação entre os jornalistas e o seu compromisso com os irmãos no escritório de mídia do EI.

11 – Os jornalistas terão licença para trabalhar uma vez solicitada no escritório de imprensa do EI.

 

 

Fontes:
O Globo-Estados Unidos cobram maior participação da Turquia no combate ao Estado Islâmico
O Globo-Estado Islâmico define 11 normas para jornalistas trabalharem em sua zona de influência

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *