Início » Economia » EUA e China têm a chance de criar a maior parceria bilateral da história
Aliança de peso

EUA e China têm a chance de criar a maior parceria bilateral da história

Líderes dos dois gigantes econômicos devem aproveitar o encontro na Califórnia para iniciar uma rede de cooperação mútua

EUA e China têm a chance de criar a maior parceria bilateral da história
Barack Obama e Xi Jinping entendem que têm muito mais a ganhar com a cooperação do que com o confronto (Reprodução/Getty)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Nesta sexta-feira, 7, o presidente americano Barack Obama e o presidente da China, Xi Jinping, se reunirão em uma conferência na Califórnia. O encontro promete ser recheado de tensão, já que nos últimos anos a relação entre os dois países vem se deteriorando.

Impulsionada pelo crescimento econômico e pela estagnação do Ocidente, a China ganha cada vez mais espaço e influência na Ásia e aproveita a situação para adotar uma postura agressiva contra os EUA, infiltrando hackers nos sistemas de segurança de órgãos americanos e roubando propriedade intelectual do país.

Os EUA, por sua vez, temem que a ascensão da China não se limite a tirar do país o posto de maior potência mundial, mas também eleve a China ao status de superpotência militarizada. Os americanos também estão atentos à crescente influência chinesa no continente americano e tentam conter o avanço dos produtos chineses, demonizando empresas de sucesso como Huawei e CNOOC.

Apesar da desconfiança mútua, os dois líderes entendem que têm muito mais a ganhar com a cooperação do que com o confronto. Aproximar-se da China dá aos EUA a oportunidade de avançar nas questões do Irã e da Coreia do Norte e entrar em acordo sobre as mudanças climáticas. Já Jinping, entende que trabalhando junto com os EUA poderá ganhar mais espaço e autonomia no Ocidente.

O encontro dá a Barack Obama e Xi Jinping a chance de formar a relação bilateral mais importante da história. As duas potências podem criar uma rede de cooperação e até mesmo iniciar uma parceria que será importante em momentos de crise. EUA e China devem aproveitar a oportunidade.

Fontes:
The Economist-The summit

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

7 Opiniões

  1. helo disse:

    Enquanto isso vamos ficando com o Mercosul que impede acordos bilaterais. Será que vale marcarmos passo no Mercosul?

  2. wandereley f.silva disse:

    OA AMERICANOS SÃO PRAGMÁTICOS [ÚTIL PORTANTO BOM] E NÃO PERDERÃO OPORTUNIDADE DE FECHAREM ESTA UNIÃO COMERCIAL.
    PARA OS NÃO INFORMADOS,NÃ SEGUNDA GRANDE GUERRA U.S.A. PINÇOU UM GENERAL COM CRUZ GAMADA DE HITLER NO PEITO E LEVOU-O PARA ORGANIZAR A N..A..S..A.. E DESENVOLVER O FOGUETE SATURNO QUE LEVOU O HOMEM À LUA.
    WERNER VON BROWN PRESIDIU A N.A.S.A. ENQUANTO VIVEU.
    TREMO DE MEDO DA FUSÃO DE DUAS ESTRELAS ANTARES PERTO DO SISTEMA SOLAR.
    COMO SERÁ O MUNDO APÓS ESTE ACORDO?

  3. adalberto s. oliveira disse:

    porque todo ladrão tem medo de ladrão em?
    na china não existe ladrão nem assassinos no ocidente sim, o pior deles é os estados unidos.

  4. Cleyber Fintelman disse:

    É bom que os EUA fiquem Preocupados mesmo pois vi in loco como os chineses estão preparadospara a fase de desenvolvimento que estão passando, com uma população bem consciente Da importância de seu país no cenário mundial. Os serviços em Pequim, Xangai, Xian e Guilin estão funcionando muito bem…Assim como as cabeças preparadas….E estão apenas começando um verdadeira revolução social com melhorias a olhos vistos e depoimentos emocionantes…

  5. Mauricio Fernandez disse:

    Para entender melhor essa parceria temos de acrescentar a Russia nesse contexto. Russia e China tem um outro acordo para o qual vem enxugando o ouro de diversas regiões no mundo enquanto esse metal cai em valor. O caminho escolhido pelos EUA busca a solução dos seus problemas internos enquanto garante seu poderio externo. O Brasil tem tudo para seguir o mesmo caminho. O Brasil stá pronto para crescer. Problemas de infraestrutura poderão serem corrigidos a prazos razoáveis com os devidos investimentos. Entretanto ignora os benefícios de alianças promissoras e aposta no rançoso e atrasado modelo que norteia o mercosul motivo de chacota mundial. O pior que é tudo por estilhaçadas e medíocres ideologias políticas. O povo que se dane como temos visto. Em curtíssimo tempo os EUA estarão fora de qualquer crise. Causa indignação acusar-nos de críticos quando apenas alertamos para fatos primários que não merecem atenção.

  6. helo disse:

    Adalberto,
    A China tem “copiado” as tecnologias ocidentais sobretudo americanas. Os dois países não tem medo da tecnologia. Já quanto aos homicídios, apesar da pouca divulgação, hoje sabemos que 50 milhões de chineses morreram nos tempos de Mao Tse Tung. Com o controle firme da natalidade, em que o segundo filho é taxado pelo estado, o assassinato de filhas mulheres é comum na China, e com isso hoje existe uma imensa população de filhos únicos.
    Porém, os americanos, assim como a China, querem crescer e dar emprego a suas grandes populações.
    Com afinco e disciplina se dedicam a isto. As universidades americanas são longe as melhores do mundo, as obras de engenharia chinesas são incomparáveis, o comércio é vibrante. Enquanto isso vivemos aqui com as amarras do Mercosul, a lerdeza do governo, a falta de estímulo para produzir do brasileiro rodeado de mil burocracias estatais. Nos tempos atuais, eles andam para frente enquanto nós olhamos para trás.

  7. Áureo Ramos de Souza disse:

    Eu acredito que esta aproximação chama-se democracia e democracia é importante não só para os EUA e China mais todos os países do mundo e acabar com esta febre de guerra, guerra é regressão e não devemos regredir e sim progredir com os líderes palestrarem e chegarem a um denominador comum

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *