Início » Internacional » EUA elevam verba destinada a desativar minas no Laos
EXPLOSIVOS OCULTOS

EUA elevam verba destinada a desativar minas no Laos

Minas terrestres deixadas pela guerra do Vietnã matam e mutilam, em média, 50 pessoas por ano no Laos

EUA elevam verba destinada a desativar minas no Laos
A ajuda será elevada para US$ 19,5 milhoes este ano (Foto: Flickr/Center for American Progress Action Fund)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os Estados Unidos vão aumentar a ajuda financeira fornecida ao Laos para limpar áreas tomadas por minas terrestres que não foram explodidas durante a guerra do Vietnã. Ocorrida há 40 anos, as minas terrestres deixadas pela guerra ainda matam e mutilam uma média de 50 pessoas por ano. Apesar de alto, o número representa uma forte queda, já que anos atrás a média chegava a 300 pessoas por ano.

No entanto, o secretário de Estado americano, John Kerry, alerta que ainda há muito a ser feito. Em visita ao país, ele disse que a média atual caiu, mas continua alta. “Caímos para 50 pessoas por ano. E 50 por ano ainda é um número alto”, disse Kerry em uma conferência.

Nos últimos cinco anos os EUA vem fornecendo auxílio financeiro para detectar e retirar os artefatos. A ajuda, que era de US$ 5 milhões, subiu para US$ 15 milhões no ano passado e deve chegar a US$ 19,5 milhões este ano.

A vista de Kerry ao Laos tem como objetivo estabelecer as bases para a próxima conferência do bloco ASEAN (Associação de Nações do Sudeste Asiático), que terá a presença do presidente americano Barack Obama. Criado em 1967, o grupo é composto por 10 países. A conferência deste ano ocorrerá no Vietnã e será presidida pelo Laos. A visita de Obama ao Vietnã será a primeira feita por um presidente dos EUA ao país desde o final do conflito.

Fontes:
The Washington Post-U.S. to increase aid to clear unexploded bombs in Laos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *