Início » Internacional » EUA tornam a liberar a alimentação forçada de prisioneiros em greve de fome
Prisão de Guantánamo

EUA tornam a liberar a alimentação forçada de prisioneiros em greve de fome

Suspensa desde o ano passado, medida voltou a ser liberada em casos em que o prisioneiro tenha real probabilidade de morte por inanição

EUA tornam a liberar a alimentação forçada de prisioneiros em greve de fome
Juíza diz que prisioneiro poderá escolher ser alimentado em hospital para evitar a alimentação forçada por tubos (Reprodução/Examiner)

Uma juíza federal americana decidiu voltar a liberar a alimentação forçada de prisioneiros de Guantánamo em greve de fome. A medida estava proibida desde o ano passado.

Na noite da última quinta-feira, 22, a juíza Gladys Kessler disse que militares devem realizar a alimentação forçada de prisioneiros que têm real probabilidade de morte por inanição. A juíza usou o caso de um prisioneiro chamado Abu Wa’el Dhiab como exemplo. Os advogados de Dhiab classificaram a decisão como abusiva.

O Departamento de Defesa americano afirma que os militares somente realizam a alimentação forçada quando ela é necessária para preservar a vida dos prisioneiros e seguem todos os procedimentos legais para isso.

Segundo Gladys, o prisioneiro pode ser alimentado em um hospital de Guantánamo, “caso queira ser poupado da agonia de ter um tubo de alimentação enfiado em sua garganta a cada refeição”.

Na última quarta-feira, 21, a juíza preteriu o pedido do Departamento de Justiça e ordenou o governo a produzir vídeos que mostrem como será o procedimento de alimentação forçada de Dhiab.

A juíza disse que o tribunal irá trabalhar rapidamente no caso, mas que no momento não teve outra escolha a não ser voltar a liberar a alimentação forçada para impedir a morte de Dhiab.

Fontes:
ABC News-Judge Will Allow Force-Feeding of Gitmo Prisoner

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *