Início » Internacional » Exército derruba presidente egípcio e suspende a Constituição
Da primavera ao caos

Exército derruba presidente egípcio e suspende a Constituição

Presidente da Corte Constitucional deve assumir a presidência até a formação de um governo interino, que deve antecipar novas eleições

Exército derruba presidente egípcio e suspende a Constituição
Chefe das Forças Armadas anunciou a destituição do presidente egípcio nesta quarta-feira (Reprodução/AFP)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

As Forças Armadas do Egito conseguiram se mobilizar rapidamente nesta quarta-feira, 3, para tomar o poder e destituir o presidente Mohamed Morsi do cargo, enviando tanques e soldados para ocupar partes estratégicas do Cairo, a capital, proibindo o presidente de sair do país, suspendendo a Constituição e convocando uma reunião de emergência com líderes civis e religiosos para criar um governo interino e estabelecer os parâmetros básicos para uma nova eleição.

Enquanto um governo interino não é anunciado, o presidente da Corte Constitucional do país assumirá a presidência nesta quinta-feira, 4. A transição política para um novo governo deve levar entre 9 e 12 meses, , de acordo com a CNN.

Leia também: Tanques de guerra tomam o centro do Cairo
Leia também: Presidente egípcio descarta renúncia
Leia também: Crise no Egito se agrava com renúncia de ministros
Leia também: Presidente egípcio rejeita ultimato do Exército

O site oficial do governo egípcio em língua inglesa, Ahramonline, afirma que o Exército comunicou o presidente que ele não é mais chefe de Estado. Porém, não há informações precisas sobre o paradeiro de Morsi, que também não se pronunciou sobre o comunicado militar que o teria destituído.

As ações do Exército nesta quarta-feira foram levadas adiante enquanto enormes multidões de simpatizantes e opositores do governo Morsi ocupavam as ruas da capital. Um grande número de soldados foi mobilizado para impedir que a instabilidade política e a polarização da população fugisse de controle. Militares cercaram as manifestações pró-governo Morsi com arame farpado e sitiaram o palácio presidencial, embora não tenham informado se Morsi se encontrava lá naquele momento.

A rádio estatal informou que a reunião de emergência dos militares com líderes da sociedade civil contou com a presença de Mohamed ElBaradei, o ex-diretor da Agência de Energia Atômica da ONU e um dos maiores críticos do governo Morsi. Segundo informações da rádio estatal, os líderes reunidos devem anunciar em breve um mapa para o futuro do país sem Morsi na presidência.

A ação do Exército veio logo após o fim de um prazo de 48 horas imposto pelos generais militares ao presidente para que ele atendesse às demandas de milhões de egípcios descontentes com o seu governo. Morsi foi o primeiro líder democraticamente eleito do Egito e ficou no poder por aproximadamente um ano. A grande preocupação agora é que o golpe dos militares, que contaram com amplo apoio da população, se transforme numa ditadura militar sem prazo de validade.

 

Fontes:
The New York Times - Morsi Out as President, State Media Says

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. olbe disse:

    Morsi caiu porque pensou que era invencível.O povo pedia sua renuncia e ele pensou que tinha mais força. Não atendeu o povo e só quem poderia tira-lo seria o exercito. Tomara que o exercito não queria tomar definitivamente o poder e convoque logo eleições. O Egito estava vivendo num clima de regressão depois de ter sentido o prazer de ter tido uma fase de liberdade. Os árabes, com o advento da era da computação começou a perceber que o mundo não é só a Lei islâmica que aprisiona a todos principalmente as mulheres e dão direitos aos homens de fazerem a que lhes interessa. Graças a era da informática os povos árabes estão acordando…Tomara que seja rápido, pela PAZ no mundo.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *