Início » Internacional » FBI expõe esquema de contrabando de armas em voos comerciais
Contrabando de armas

FBI expõe esquema de contrabando de armas em voos comerciais

Segurança nos aeroportos pode ser comprometida por funcionários que têm acesso a áreas de segurança do local, mas não são revistados como os passageiros

FBI expõe esquema de contrabando de armas em voos comerciais
Funcionários com acesso a áreas de segurança do aeroporto não são tão revistados quanto os passageiros, que passam pelos postos de segurança (Reprodução/Infraero)

No último dia 10 de dezembro, enquanto 1,7 milhões de passageiros passavam pela revista de rotina nos postos de seguranças em aeroportos dos EUA, um homem voou pela Delta Airlines, carregando uma mochila com 16 armas de fogo e munição, do aeroporto internacional John F. Kennedy, em Nova York, até o aeroporto internacional Hartsfield-Jackson, em Atlanta. O suspeito foi preso somente depois de uma investigação de contrabando de armas entre Nova York e Atlanta.

“O que nós temos neste caso é um flagrante de violação de segurança nesse aeroporto”, disse o promotor do distrito do Brooklyn, Kenneth P. Thompson, em uma coletiva de imprensa. No centro do caso está um ex-funcionário da Delta Air Lines, acusado de contrabandear 153 armas de fogo, incluindo uma AK-47, em 17 voos da companhia aérea entre Atlanta e Nova York de 8 de maio a 10 de dezembro deste ano.

Thompson também afirmou que o ex-funcionário da Delta, chamado Mark Q. Henry, recebeu várias armas no aeroporto de Atlanta do carregador de bagagens da empresa aérea, Eugene Harvey. Ele explicou que Harvey levou as armas para a área de segurança do terminal e as transferiu para Henry num encontro arranjado no banheiro masculino. Como Henry já tinha passado pela Agência de Segurança do Transporte (TSA, em inglês), ele foi capaz de esconder as armas em sua mochila e levá-las no voo 2352 da Delta naquela manhã.

As autoridades prenderam Henry e apreenderam as armas depois que ele chegou em Nova York. Henry, Harvey e outras três pessoas, acusadas de serem cúmplices, enfrentam múltiplas acusações.

O consultor de segurança, Anthony C. Roman, se preocupa com o fato de que funcionários com acesso a áreas de segurança do aeroporto não são tão examinados como os passageiros que passam pelos postos de segurança.

Reese McCranie, porta-voz do aeroporto de Atlanta, disse que o aeroporto “cooperou plenamente com o FBI, a TSA e outras agências durante a investigação”. Ele também afirmou que funcionários do aeroporto passam por verificações de antecedentes criminais, além de estarem sujeitos a inspeções aleatórias. “Diante desses acontecimentos recentes, estamos revendo nosso plano de segurança e faremos as mudanças necessárias para prevenir futuros incidentes desta natureza”, disse o porta-voz.

 

Fontes:
The New York Times-Gun Smuggling on Plane Reveals Security Oversight

1 Opinião

  1. Joaquim Caldas disse:

    O FB deveria investigar a polícia Federal do governo Lula e os aviões da FAB.
    Já que o assunto é a ilicitude de tráfico por vias aéreas,trago ao conhecimento dos nossos leitore uma informação pública gravíssima assinado pelo autor,Tuma Jr,em seu livro ASSASSINATO DE REPUTAÇÕES – Um crime de Estado.Na página 291,último parágrafo: …”Após a Satiagraha e a perda da confiança na PF depois do Rosagate,o governo volta a instrumentalizar a Abin,descartada e encostada desde esse episódio no Supremo.Agora contra o mais novo adversário e “alvo”,o governador de Pernambuco,Eduardo Campos.,a instrumentalização da Agência volta a ser alternativa de projeto de poder”. Olha que o livro foi rascunhado e lançado um ano antes da morte fatal na que da Avião que transportava Eduardo Campos e sua equipe.Para o silogismo fica claro que que assassinou Eduardo Campos e sua Equipe foi o próprio governo! (governo que apoia ladrões,bandidos,assaltantes,assassinos,terroristas,podemos ter certeza que quem disso cuida,disso usa)

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *