Início » Cultura » Filarmônica de Paris, um novo espaço para música clássica longe do centro
Música em Paris

Filarmônica de Paris, um novo espaço para música clássica longe do centro

Uma grande sala de concertos será inaugurada em um local sem charme e afastado do centro urbano de Paris. Será que atrairá o público?

Filarmônica de Paris, um novo espaço para música clássica longe do centro
O governo, a cidade de Paris e a região Ile-de-France, em outras palavras, os contribuintes franceses, financiaram a construção do prédio (Reprodução/Philarmonie de Paris)

Até há algumas semanas, os parisienses que queriam  ouvir um grande pianista clássico ou uma ótima orquestra iriam para a Salle Pleyel perto dos Champs Elysées. Essa opção não está mais disponível, porque a sala será usada para a apresentação de outros estilos musicais. A partir de 14 de janeiro, as melhores orquestras e músicos, inclusive as orquestras da Salle Pleyel, a Orchestre de Paris e a Orchestre Philharmonique de Radio France, se apresentarão na Filarmônica de Paris.

Esse novo espaço dedicado à música projetado pelo arquiteto Jean Nouvel e construído no Parc de la Villette no 19º distrito, custou €386 milhões (US$460 milhões). Paris tem duas óperas e, portanto, poderá como Londres e Nova York, manter diversos espaços voltados para apresentações musicais. Mas será que o público melômano que pode pagar ingressos caros e a assinatura da programação da Salle Pleyel, se deslocaria para um local sem charme e longe do centro da cidade?

O auditório tem capacidade de acomodar até 2.400 pessoas em fileiras de assentos situados ao redor do fosso da orquestra central.  Com o objetivo de atrair um público novo e mais jovem, a direção da Filarmônica promoverá a apresentação de temas como comédia musical, Índia e Nova York nos fins de semana com ingressos mais baratos.

O governo, a cidade de Paris e a região Ile-de-France, em outras palavras, os contribuintes franceses, financiaram a construção do prédio. Os contribuintes também custearão metade dos €65 milhões do orçamento anual das duas filarmônicas gêmeas. O restante virá de patrocínios e da venda de ingressos, desde que o público que gosta de música clássica seja estimulado a mudar de hábitos e ir até ao 19º distrito na periferia da cidade.

 

Fontes:
The Economist-Distant notes

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *