Início » Vida » Comportamento » Filhos fora do matrimônio: da exceção à regra
CASAMENTO

Filhos fora do matrimônio: da exceção à regra

Países têm mais casos de filhos fora de casamento

Filhos fora do matrimônio: da exceção à regra
Pais que não são casados são mais suscetíveis à separação (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Como os casais estão esperando mais tempo para casar, e muitos nem chegam a isso, o número de países com nascimentos fora do matrimônio está crescendo. Pais que não são casados são mais suscetíveis à separação. Seus filhos aprendem menos na escola e tendem a ser menos saudáveis e terem comportamento pior.

Os pais que não são casados costumam ser mais pobres e ter menos escolaridade do que os casados. Além disso, eles costumam ser mais jovens. No entanto, as tentativas de fazer com que esses casais se casem geralmente não têm dado certo. Segundo Isabel Sawhill, da Instituição Brookings, políticas americanas de incentivo tiveram pouco impacto nos números de casamento. No entanto, ajudaram as mulheres a evitar gravidezes inesperadas e a adiar o plano de ter filhos, pelo menos até terminar a escola, estando casadas ou não.

Os govenos devem decider o que fazer quando casais que moram juntos se separam ou quando um deles morre. Geralmente, há três abordagens: tratar os casais que estão juntos há alguns anos como se fossem casados; tratá-los como se fossem solteiros; ou oferecer várias alternativas ao casamento, esperando que os casais escolham o que melhor servir para eles.

A Australia e a Nova Zelândia, por exemplo, seguem a primeira abordagem. Casais que moram juntos por dois ou três anos são quase indistinguíveis dos casados. Alguns países permitem que os casais excluam provisões do casamento civil por meio de um contrato.

No Brasil, onde dois terços das crianças nascem de pais que não são casados, casais que têm uma relação “pública, permanente e que pretendem formar uma unidade familiar” são considerados como união estável. Ou seja, eles não precisam viver juntos ou estar juntos por um período específico.

 

Fontes:
The Economist-Carriage and horse

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Vitafer disse:

    2/3 é muita coisa! Quer dizer que de cada três crianças, duas nasceram fora do casamento…

  2. Ludwig Von Drake disse:

    Como no passado a promiscuidade era igual a de hoje, inventaram o Casamento para o homem não ter que sustentar filhos que não eram seus. Não era uma garantia mas dava mais segurança às relações. Hoje em dia, com o DNA, o risco de sustentar filhos de outros está afastado, e o casamento perde a importância.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *