Início » Economia » FMI acerta acordo de US$ 50 bilhões com a Argentina
AUXÍLIO FINANCEIRO

FMI acerta acordo de US$ 50 bilhões com a Argentina

Governo Macri recorreu ao empréstimo para superar as turbulências cambiais na Argentina, onde a inflação supera os 20%

FMI acerta acordo de US$ 50 bilhões com a Argentina
É a primeira vez que a Argentina recorre ao FMI desde 2005 (Foto: Flickr/Michel Temer)

O Fundo Monetário Internacional (FMI) acertou um empréstimo de US$ 50 bilhões à Argentina, a ser concedido ao longo dos próximos 36 meses. O acordo, no entanto, ainda depende da aprovação da Diretoria Executiva do FMI.

Nos próximos dias, a Diretoria do FMI deve analisar o plano econômico da Argentina, que será determinante para a conclusão do acordo. No último dia 18 de maio, o Conselho Executivo do FMI já tinha se reunido para debater o possível apoio financeiro ao governo argentino. É a primeira vez que a Argentina recorre ao FMI desde 2005.

“No centro do plano econômico do governo está um reequilíbrio da posição fiscal. Apoiamos plenamente esta prioridade e saudamos a intenção das autoridades de acelerar o ritmo de redução do déficit do governo federal, restaurando o saldo primário até 2020. Esta medida acabará por reduzir as necessidades de financiamento do governo, colocará a dívida pública numa trajetória descendente e, como o presidente Macri declarou, aliviar um fardo das costas da Argentina”, afirmou a Diretora Executiva do FMI, Christine Lagarde.

De acordo com a Agência Brasil, o principal desafio do governo Macri será reduzir os gastos públicos e a inflação, que supera os 20%. O Banco Central prometeu reduzir o índice inflacionário a 17% até o fim de 2019 e a 13% até o fim de 2020. Além disso, o acordo ainda prevê um déficit fiscal de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 e 1,3% em 2019.

“Também apoiamos fortemente o redobramento de esforços para reduzir a inflação, que sabemos que alimenta a base da prosperidade econômica na Argentina e é arcada diretamente pelos mais vulneráveis ​​da sociedade. […] Um plano central das autoridades é implementar medidas que ofereçam oportunidades e apoio aos que vivem na pobreza e aos membros menos favorecidos da sociedade argentina”, destacou Lagarde.

A Argentina voltou a pedir ajuda ao FMI no último mês de maio. O presidente Mauricio Macri afirma que a medida é necessária devido à disparada do dólar e a desvalorização do peso argentino. Segundo Macri, o objetivo do empréstimo é “alcançar um acordo que permita superar as turbulências cambiais dos últimos dias”.

Enquanto a solicitação do governo argentino parece ter sido atendida, a oposição se manifesta através das redes sociais criticando o empréstimo. Algumas das principais críticas são da coalizão política Unidad Ciudadana. Em uma publicação nesta sexta-feira, 8, a coalizão afirma que “o fundo pede: menos obras públicas, mais tarifas e salários mais baixos”.

O político Martín Sabatella, que se posiciona como um “kirchnerista”, em alusão à ex-presidente Cristina Kirchner, também foi duro em suas críticas: “estão hipotecando o futuro dos nossos filhos e netos”.

Fontes:
Agência Brasil-Argentina anuncia acordo com o FMI

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *