Início » Internacional » Ford anuncia novo sistema para a linha de montagem de sua fábrica
Nesta Data

Ford anuncia novo sistema para a linha de montagem de sua fábrica

Em 14 de janeiro de 1914, Henry Ford criou um sistema de linha de montagem, que reduziu de 12,5 horas para 93 minutos o tempo de produção de um carro. O sistema inovador ficou conhecido como Fordismo

Ford anuncia novo sistema para a linha de montagem de sua fábrica
O Fordismo reduziu de 12,5 horas para 93 minutos o tempo de produção de um carro (Reprodução/Internet)

No dia 14 de janeiro de 1914, Henry Ford, fundador da fabricante de carros Ford, anunciava um novo sistema para a linha de montagem de sua fábrica, reduzindo de 12,5 horas para 93 minutos o tempo de produção de um carro. O sistema inovador ficou conhecido como Fordismo.

O método consiste numa esteira rolante que conduzia o produto, no caso da Ford os automóveis, e cada funcionário executava uma única tarefa. Logo, os funcionários não precisavam sair do seu local de trabalho, resultando numa maior velocidade de produção. Também não era necessária a contratação de mão-de-obra muito capacitada, pois cada trabalhador executava apenas uma pequena tarefa dentro de sua etapa de produção.

A Ford Motor Company, que existe até hoje, lançou em 1908 o Modelo T, conhecido no Brasil como “Ford de bigode”, em alusão a duas alavancas que saíam do volante e lembravam o formato de um bigode. O Modelo T foi produzido até 1927, atingindo mais de 15 milhões de unidades.

Críticas

O Fordismo  foi muito criticado como sendo uma exigência desumana e famosamente satirizado pelo comediante Charles Chaplin no filme “Tempos modernos”. Na década de 1980, o Fordismo entrou em declínio, sendo substituído por um modelo de produção considerado mais eficiente, o Toyotismo.

No começo, o  Toyotismo não visou um embate frontal com as gigantescas empresas Fordistas, e sim a ocupação de nichos do mercado. O sistema usava a ideia de produção “just in time”, produzindo só as peças necessárias em harmonia com a demanda. No Fordismo, o máximo de peças eram fabricadas, criando-se estoques. Isso aumentava a intimidade com os compradores e acabava com os custos para manter os estoques.

Enquanto o trabalhador Fordista era responsável por apenas uma tarefa, o Toyotista trabalhava em ágeis equipes, encarregadas não apenas da produção, mas também do controle de qualidade.

Veja Charlie Chaplin satirizando o Fordismo em “Tempos modernos”

Fontes:
InfoEscola-Fordismo e toyotismo

2 Opiniões

  1. PANTAGRUEL SILVELINO disse:

    Foi um avanço, caso contrário, muitos produtos seriam inacessíveis à maioria da população mundial. A linha de produção racionalizou a industrialização muito embora tenha criado muitos problemas que só anos mais tarde explodiriam, principalmente junto à classe trabalhadora que começaram a ver seus empregos diminuirem e também muitas doenças aparecerem tais como LER, DORT. É o preço, mas o saldo foi positivo.

  2. Roberto Henry Ebelt disse:

    Que fique claro que a linha de montagem (assembly line) foi uma ideia desenvolvida e popularizada por Henry Ford a partir da ideia pioneira de Ramson E. Olds (que deu origem a marca Oldsmobile).
    O Fordismo não tem exatamente muito a ver a a linha de montagem, visto que ela já era usada há muito tempo quando ele ocorreu em 1914.
    Três aspectos mais importantes do Fordismo:
    Aumento considerável dos salários dos empregados da Ford.
    Uso intensivo de peças feitas por máquinas e não pela mão humana,
    Utilização intensiva de ferramentas na linha de montagem.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *