Início » Internacional » Governo americano estuda ação militar na Coreia do Norte
AMEAÇA NUCLEAR

Governo americano estuda ação militar na Coreia do Norte

Secretário de Estado americano afirma que 'política de paciência estratégica acabou' e que país estuda ação militar contra o programa nuclear norte-coreano

Governo americano estuda ação militar na Coreia do Norte
'Se elevarem a ameaça nuclear, tomaremos uma ação militar', afirma Tillerson (Foto: Flickr)

O Secretário de Estado americano Rex Tillerson afirmou nesta sexta-feira, 17, que os EUA estão considerando tomar uma ação militar para conter a ameaça nuclear da Coreia do Norte.

Durante uma visita à Coreia do Sul, o secretário americano indicou que a administração do presidente Donald Trump vem estudando ações militares e que poderá deixar de lado as conversas diplomáticas com o país comunista. “Serei bem claro: a política de paciência estratégica acabou”, declarou Tillerson em uma entrevista coletiva ao lado do ministro de Relações Exteriores sul-coreano Yun Byung-se.

Tillerson ainda afirmou que Washington e Seul compartilham o mesmo objetivo e estão trabalhando em conjunto para a completa desnuclearização de Pyongyang. “Estamos explorando uma nova gama de medidas diplomáticas, econômicas e de segurança. Todas as opções estão na mesa”.

Ao ser questionado sobre a possibilidade de uma ação militar, o secretário americano disse que não gostaria de chegar a um conflito. “Mas se eles (Coreia do Norte) elevarem a ameaça do programa nuclear a um nível que acreditamos exigir ação militar, a opção está na mesa”, acrescentou Tillerson.

Nos últimos anos, o nordeste asiático tem vivido um clima de apreensão devido ao progresso da Coreia do Norte em seu programa nuclear e seus seguidos testes com mísseis balísticos na região. O líder norte-coreano Kim Jong-un chegou a declarar publicamente que o país está desenvolvendo mísseis capazes de alcançar os Estados Unidos e a China.

Além disso, a decisão do governo sul-coreano de instalar um sistema antimísseis americano no país, em resposta aos avanços nucleares do país vizinho, ampliaram as tensões na região. O ministro Yun Byung-se afirma que o sistema antimísseis tem apenas o objetivo de defesa contra a Coreia do Norte, não contra qualquer outro país.

Para Hahm Chai-bong, presidente do Instituto Asan para Estudos Políticos, de Seul, a política americana de impor sanções e conversas diplomáticas com Pyongyang surtiram pouco efeito e ele considera que uma ação militar é uma das poucas opções que restaram.

“É quase inevitável que esse seja o próximo passo a ser dado. Nunca os Estados Unidos e a Coreia do Sul pressionaram tanto a Coreia do Norte ou responderam de uma maneira tão direta antes”, afirmou Hahm.

Fontes:
Washington Post-Tillerson says ‘all options are on the table’ when it comes to North Korea
Estado de S. Paulo-Política de paciência estratégica dos EUA com Coreia do Norte acabou, diz Tillerson

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Carlos U Pozzobon disse:

    A Coreia do Norte sobrevive graças a fronteira com a China, que prefere um aliado “inofensivo” a um país desenvolvido e agressivo. A atual beligerância entre Washington e Pequim pelos termos do comércio recíproco, com Trump pretendendo impor taxação a uma gama de produtos chineses, pode ser um momento para colocar a Coreia do Norte no balaio das negociações e a China mudar de ideia, aceitando se livrar de seu fiel aliado em troca de direitos comerciais. Para isso seria necessário convencer Pequim que King Jon-um não bate bem das ideias.

  2. laercio disse:

    O mundo não tem maquiagem!…
    Quando e trata de interesse, as éticas, diplomacia e outras patifarias ficam de lado…
    O Brasil deve se espelha nestes exemplos e romper com vários tratados internacionais fazendo valer novas leis que hoje não são colocadas em prática devido as armadilhas que o país assinou quando da aquisição de empréstimos no exterior.

  3. Rogerio Faria disse:

    Com 6 bilhões de almas já passou da hora de uma guerrinha para ajudar a “esvaziar o barco”.
    Só terremotos, furacões, enchentes, aquecimento global, poluição, vírus, bactérias, homosexualismo, etc., não está dando conta de reduzir o número dete “ser divino” e como os meteoros estão passando raspando, o negócio é atomizar o planeta.
    Kim Jong e Trump apertem os botões, hahaha…

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *