Início » Internacional » Greve em serviço de coleta afunda Atenas em lixo
GRÉCIA

Greve em serviço de coleta afunda Atenas em lixo

Turistas que chegaram à capital grega para visitar as ruínas históricas se depararam com outro tipo de monumento: montanhas de lixo

Greve em serviço de coleta afunda Atenas em lixo
Lixo se decompõe nas ruas sob calor de 37º C (Foto: GTP)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A temporada de pico no turismo está começando em Atenas. Porém, aqueles que desembarcaram na cidade na última quinta-feira, 29, para visitar as históricas ruínas da civilização grega se depararam com um inesperado monumento contemporâneo: montanhas de lixo apodrecendo a céu aberto pelas ruas da capital da Grécia.

O motivo é uma greve no serviço estatal de limpeza urbana, na qual os trabalhadores exigiam melhores condições de trabalho. A greve foi encerrada na quinta-feira, quando completou 13 dias, após um acordo entre governo e representantes da classe. No entanto, estima-se que levarão dias até que a situação seja normalizada.

Somada ao calor, que vem rondando os 37º C nos últimos dias, a pilha de lixo em decomposição criou uma atmosfera sufocante para cidadãos atenienses e turistas. Parte da população apoiou a greve, enquanto outra parte criticou o movimento. “É um total pesadelo. Como se já não tivéssemos problemas o suficiente. Sabe lá Deus o que há debaixo disso, ratos, cobras, não aguento nem pensar nisso”, disse, em entrevista, ao New York Times, a professora aposentada Maria Saranti.

Em março de 2014, o Rio de Janeiro, principal polo turístico do Brasil, viveu uma situação semelhante a enfrentada pela Grécia. Naquele mês, garis paralisaram as atividades durante uma semana na capital carioca. Eles exigiam reajuste salarial, mais pagamento de insalubridade para a classe.

A greve foi encerrada após um acordo entre a classe e a prefeitura, que estabeleceu o salário dos garis em R$ 1.100. No caso do Rio de Janeiro, a greve contou com o apoio de grande parte da população, apesar dos problemas gerados suspensão da coleta de lixo. Isso porque o salário de R$ 803, sem insalubridade, pago antes do acordo, era considerado humilhante diante do serviço prestado pelos garis.

Fontes:
The New York Times-‘Like We Don’t Have Enough Problems’: Trash Piles Up in Athens

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. laercio disse:

    A centralização de renda faz o trabalhador (base do país) receberem salários miseráveis, bem semelhante ao que acontece no Brasil.
    O povo deve começar a se informar quanto aos novos termos que farão parte do nosso jargão popular é romper com coisas que subliminarmente nos foram impostas.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *