Início » Internacional » ‘Hambúrguer vegano’ pode passar a se chamar ‘disco vegano’ na Europa
UNIÃO EUROPEIA

‘Hambúrguer vegano’ pode passar a se chamar ‘disco vegano’ na Europa

Proposta aprovada pelo comitê de Agricultura do Parlamento Europeu proíbe produtos veganos ou vegetarianos de usar nomes de alimentos à base de carne

‘Hambúrguer vegano’ pode passar a se chamar ‘disco vegano’ na Europa
Proposta exige uma nova terminologia para produtos vegetarianos (Foto: Pixabay)

Em uma medida que alguns eurodeputados suspeitam ter a influência do setor de processamento e distribuição de carne, o comitê de Agricultura do Parlamento Europeu aprovou a proposta de proibição de nomes usados na indústria de alimentos à base de carne por produtores de alimentos vegetarianos.

Segundo a nova proposta de regulamentação da rotulagem de alimentos, produtos vegetarianos ou veganos, como hambúrgueres de feijão ou de cogumelo, salsichas de tofu, bifes de carne de glúten e escalopes de soja, não poderão ter nomes iguais aos usados na terminologia de alimentos de origem animal.

A medida aprovada por 80% dos eurodeputados será submetida à votação do Parlamento Europeu após as eleições de maio. Em seguida, será apresentada aos países-membros e à Comissão Europeia.

O eurodeputado socialista francês Éric Andrieu, responsável pela supervisão da legislação, disse que a proibição era apenas “uma medida de bom senso” no contexto da história gastronômica dos europeus.

A decisão de exigir uma nova terminologia para produtos vegetarianos sofreu uma forte crítica de ONGs como a Greenpeace e a Birdlife, que alegaram ser uma medida para prejudicar a produção de alimentos sustentáveis.

Mas Andrieu afirmou que os deputados votaram pensando exclusivamente no interesse do consumidor. Além disso, acrescentou, será um estímulo para que os produtores de alimentos vegetarianos criem sua própria identidade.

Molly Scott Cato, deputada do Partido Verde do Reino Unido, e membro do comitê de Agricultura, disse que a medida é correta e atende aos direitos dos consumidores, embora tenha algumas dúvidas sobre o que motivou os membros do comitê a reverem as regras de rotulagem.

“É possível que o lobby do setor de processamento e distribuição de carne tenha influenciado a decisão deles. O consumo de carne está diminuindo entre os jovens e é preciso manter uma posição forte no mercado de alimentos”.

Em 2017, em atenção ao requerimento apresentado por reguladores de concorrência da Alemanha contra a empresa Tofutown, que vendia produtos à base de soja e de tofu com nomes usados no setor de laticínios, o Tribunal de Justiça da União Europeia determinou que produtos preparados com esses ingredientes não poderiam ser vendidos com o rótulo de leite e manteiga.

De acordo com a Foods Standards Agency, o leite materno e o de vaca são as melhores fontes de nutrientes para o desenvolvimento dos bebês. No entanto, muitas mães seguem a recomendação dos pediatras e dão leite de soja aos filhos.

O Parlamento Europeu tem sido acusado, com frequência,  de interferir na regulamentação de alimentos, como no caso da criação de um mecanismo de proteção aos produtores de bananas europeus.

Após a aprovação final das regras de rotulamento de alimentos, ficará proibido o uso de nomes como hambúrguer, salsicha, escalope e bife em alimentos que não sejam de origem animal.

Os vegetarianos e veganos não encontrarão mais nas prateleiras dos supermercados as embalagens de hambúrgueres de feijão ou de cogumelo, salsichas de tofu, escalopes de soja e bifes de carne de glúten.

Dependendo da criatividade dos produtores de alimentos vegetarianos, os nomes poderão ter sido substituídos por bolos de vegetais, rolinhos de tofu, fatias de soja e iscas de carne de glúten.

Fontes:
The Guardian-‘Veggie discs’ to replace veggie burgers in EU crackdown on food labels

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *