Início » Internacional » Hong Kong sinaliza uma possível concessão eleitoral
protestos pró-democracia

Hong Kong sinaliza uma possível concessão eleitoral

O líder de Hong Kong, Leung Chun-ying, sinalizou que a eleição de 2017 pode ser tornar 'mais democrática'

Hong Kong sinaliza uma possível concessão eleitoral
Os manifestantes não planejam deixar as ruas a menos que Pequim aceite nomeações abertas (Reprodução/Alex Hofford/EPA)

Nesta terça-feira, 21, o líder de Hong Kong, Leung Chun-ying, sinalizou que a eleição de 2017 pode ser tornar “mais democrática”. Essa é a primeira indicação de uma possível concessão aos manifestantes pró-democracia.

Leia mais: Manifestantes voltam a enfrentar a polícia em Hong Kong
Leia mais: Protestos em Hong Kong têm a noite mais violenta
Leia mais: Hong Kong tem novos protestos nesta quarta-feira

Leung falou poucas horas antes do começo das conversas formais entre líderes estudantis dos protestos e representantes do governo, que buscam acabar com a crise na ex-colônia britânica, que voltou ao controle da China em 1997. “Há espaço para discussão aqui”, disse o governador a um pequeno grupo de repórteres.

No mês de agosto, o Partido Comunista de Pequim ofereceu ao povo a chance de votar em seu próprio líder em 2017. Mas dos três nomes indicados, só dois poderão concorrer, após obterem apoio de um comitê de nomeação composto por 1.200 pessoas, o qual, convenientemente, está repleto de membros leais a Pequim.

Para os manifestantes, essa é uma falsa democracia e eles não planejam deixar as ruas a menos que Pequim aceite nomeações abertas. Após três semanas de confrontos, pouco se espera um avanço nessas conversas de terça-feira. Leung havia reiterado na última segunda-feira, 20, suas objeções às exigências, dizendo que iria resultar em políticas populistas. Reuniões foram canceladas duas vezes nas últimas semanas.

A polícia agiu com truculência contra os manifestantes, com agressões e o uso de gás lacrimogêneo. Leung afirmou que tal ação pode acontecer “quando necessário”. Ele se recusou a dizer se haveria um prazo para retirar os manifestantes das ruas da cidade e disse que o governo não tinha “quaisquer instruções de Pequim”. Mas Leung disse acreditar que as pessoas de Hong Kong estavam perdendo a paciência com as manifestações e podem tomar alguma atitude.

Fontes:
O Globo-Líder de Hong Kong indica possível concessão sobre processo eleitoral

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *