Início » Internacional » Hong Kong suspende projeto de extradições para a China
APÓS POLÊMICA

Hong Kong suspende projeto de extradições para a China

Líder do governo informou a suspensão até novo aviso. Projeto acirrou os protestos contra o avanço da China na região

Hong Kong suspende projeto de extradições para a China
Apesar do anúncio, opositores mantêm protestos para o próximo domingo, 15 (Foto: Twitter/Matt Rivers)

A chefe do governo de Hong Kong anunciou que neste sábado, 15, que decidiu suspender o projeto de lei que autorizava extradições para a China.

Em entrevista coletiva, Carrie Lam informou que a leitura do projeto de lei está suspensa até novo aviso, sem anunciar um prazo específico para a retomada da análise. Lam informou que a intenção do projeto é “impedir que Hong Kong se tornasse um paraíso para os criminosos” e disse que esse objetivo não mudou. No entanto, diante da repercussão negativa, ela afirmou que o governo local está aberto a opiniões.

“Nós criamos um grande conflito e muitas pessoas estão decepcionadas e tristes, eu também estou triste e sinto muito por desencadear este conflito. Nós aceitamos as críticas com sinceridade e humildade, e vamos melhorar. O governo escutará abertamente as opiniões sobre o projeto legislativo. Vamos nos comunicar com a sociedade, vamos explicar mais e vamos ouvir mais”, disse Lam.

O anúncio da líder do governo não demoveu opositores da ideia de realizar um novo protesto no próximo domingo, 15. Os manifestantes demandam que o governo retire o projeto em definitivo.

O projeto de lei acirrou os protestos que vêm ocorrendo na região nas últimas semanas contra o avanço da interferência da China. Isso porque Hong Kong tem sido destino de muitos chineses que fogem da pobreza e da perseguição política do governo de Pequim.

Até 1997, Hong Kong era cedida ao Reino Unido, vivendo sob um sistema próprio de leis e fronteiras e com maior liberdade de expressão, num modelo similar a democracias ocidentais. Após a transferência da soberania da região para a China, o governo de Pequim se comprometeu a respeitar o modelo “um país, dois sistemas”.

No entanto, constantes interferências da China na política local apontaram o contrário, resultando em protestos contra o avanço de Pequim. Em 2014, o acirramento desencadeou o que ficou conhecido como a Revolução dos Guarda-Chuvas, liderada principalmente pela população jovem do país. O nome da revolução remete ao uso de guarda-chuvas para se proteger contra os efeitos do gás lacrimogênio lançado pela polícia.

Fontes:
G1-Governo de Hong Kong suspende polêmico projeto de lei de extradição após protestos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *