Início » Internacional » Igrejas nos EUA ensinam como ‘sobreviver’ a abordagens policiais
Tensão racial

Igrejas nos EUA ensinam como ‘sobreviver’ a abordagens policiais

Guia elaborado por ativista negro apresenta 'dez regras para sobreviver se for parado pela polícia'

Igrejas nos EUA ensinam como ‘sobreviver’ a abordagens policiais
Pastor Thomas Bowen tem distribuído uma cartilha para os fiéis da sua igreja (Fonte: Reprodução/BBC)

Em resposta aos recentes episódios de violência policial contra norte-americanos negros, o pastor Thomas Bowen, da Igreja Batista Shiloh, tem distribuído aos seus fiéis uma cartilha com “dez regras para sobreviver se for parado pela polícia”.

O guia, que foi elaborado pelo ativista e escritor negro David Miller, orienta os fiéis a manterem a calma e evitarem o confronto com policiais, mesmo se acharem que seus direitos foram violados.

Em entrevista à BBC Brasil, Thomas Bowen afirmou que agiu para evitar que casos como o de Michael Brown e Sandra Bland se repitam. Brown morreu há um ano após levar seis tiros durante um confronto com um policial branco. Já Sandra foi encontrada morta na prisão no mês passado após ter sido detida em uma abordagem por uma infração leve de trânsito.

Confira abaixo as “dez regras para sobreviver se for parado pela polícia”:

1. Seja educado e respeitoso se parado pela polícia. Mantenha a boca fechada.
2. Lembre que sua meta é chegar em casa em segurança. Se sentir que seus direitos foram violados, você e seus parentes têm o direito de fazer uma queixa em sua jurisdição policial.
3. Em nenhuma circunstância discuta com a polícia.
4. Sempre lembre que tudo que disser ou fizer pode ser usado contra você na Justiça.
5. Mantenha suas mãos à vista e se certifique de que a polícia pode vê-las o tempo todo.
6. Evite o contato físico com a polícia. Não faça nenhum movimento
súbito e mantenha as mãos longe dos bolsos.
7. Não corra, mesmo que tenha medo da polícia.
8. Mesmo se acreditar que é inocente, não resista à prisão.
9. Não se pronuncie sobre o incidente até se encontrar com um advogado ou defensor público.
10. Fique calmo e mantenha o controle. Cuidado com as palavras, linguagem corporal e emoções.

O advogado Eric Broyles também tem orientado os fiéis de igrejas de maioria negra de vários estados norte-americanos a evitarem confrontos com policiais.

Em parceria com o policial Adrian Jackson, Broyles publicou o livro “Encounters with Police: a Black Man’s Guide to Survival” (‘Encontros com a Polícia: Guia de Sobrevivência para um Homem Negro’, em tradução livre). Os dois autores são negros.

De acordo com Broyles, “a polícia não vai mudar da noite para o dia, então tento mostrar às pessoas como lidar com abordagens sem correr riscos desnecessários”.

Fontes:
Uol - Com cartilha, igrejas nos EUA ensinam negros a "sobreviver a abordagens policiais"

3 Opiniões

  1. Ester Rodrigues disse:

    É profundamente lamentável que pessoas da cor negra ainda tenham que submeter ao aprendizado de como se defender de aborgadagens policiais devido a cruel discriminação racial. Não sei o que é mais violento: se a discriminação religiosa ou a racial. Me dá uma enorme tristeza dessa involução.

  2. Áureo Ramos de Souza disse:

    De relevante importância a Idea deste Pastor, acontece que os policiais não respeitam de forma alguma, você pode ficar igual a uma estátua e eles abordam já com porrada, lembram-se do negro que foi enforcado e o brasileiro que levou choques excessivos?

  3. Roberto Ebelt disse:

    Certíssimo, esse Pastor. Já na década de 70, li um artigo na revista HUSTLER os mesmos conselhos para todo o mundo e não apenas para afro-americanos. Valia, especialmente para pessoas caucasianas, o principal público daquela revista.
    As pessoas se esquecem, especialmente os afro-americanos, que os policiais (em qualquer lugar – especialmente no Rio de Janeiro) são verdadeiros SITTING DUCKS e que eles não podem vacilar diante de um criminoso em potencial (você e eu) durante uma abordagem.
    Discutir, bater boca com um policial? SÓ LOUCO! Ou suicida.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *