Início » Internacional » Emigração em Cuba: hasta la vista
Demografia

Emigração em Cuba: hasta la vista

A população cubana está encolhendo, envelhecendo – e emigrando

Emigração em Cuba: hasta la vista
A alta da emigração assusta os governantes da ilha (Reprodução/Getty)

Cuba é o único país da América Latina em que a população está diminuindo. Ela também está envelhecendo mais rápido do que em qualquer outro lugar da região, por muitas razões. Em primeiro lugar, as mulheres cubanas estão tendo menos bebês. O número de filhos por mulher caiu de cinco em 1963 para 1,9 em 1978 e para menos de 1,5 entre 2004 e 2008. Em segundo lugar, graças ao sistema de saúde, poucas crianças morrem na infância, e os cubanos costumam viver até idades avançadas.

Em terceiro, cerca de 30 mil cubanos abandonam a ilha por ano. Hoje em dia, poucos destes arriscam suas vidas em botes ou câmaras de pneus para cruzar o estreito da Flórida. Em vez disso,entram na fila por umvisto. Sob um acordo ratificado nos anos 90 para deter a imigração descontrolada, o Estados Unidos sorteia 20 mil vistos por ano. A Espanha, que concede cidadania aos filhos e netos daqueles que fugiram do guerra civil do país e da ditadura de Franco, já distribuiu  63 mil passaportes. Um fluxo constante de cubanos despachados para a Venezuela ou em viagem ao exterior decide não retornar.

De modo que Cuba está envelhecendo. “A típica família cubana consiste de dois avós, dois pais e uma criança”, diz Jorge Mario Sánchez do Centro de Estudos da Economia Cubana. Com as tendências correntes, haverá tantos pensionistas quanto trabalhadores até 2025. As pensões são baixas (em média 10 dólares por mês em 2008), e os pensionistas estão entre os mais pobres da sociedade cubana, mas em 2008 os custos previdenciários totais jáatingiam 7% do PIB.

O governo introduziu uma reforma da previdência em dezembro de 2008, elevando a contribuição (iniciada dos anos 90) e a idade de aposentadoria (60 para mulheres e 65 para homens). Entretanto, isso não será o bastante nem para tornar o sistema de pensões solvente, nem para eliminar apobreza dos pensionistas. E aqueles que querem emigrar são justamente aqueles que o país menos pode perder. O temor da alta da imigração é a principal razão que faz com que Raúl Castro diga que é necessário um estudo longo e cuidadoso antes de abolir os controles para que cidadãos deixem a ilha.

 

Fontes:
The Economist - Hasta la vista, baby

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. rudylang disse:

    Mas bahhhhhhhh, tchê! Cuba ainda tem PIB?
    Esses velhotes conseguem enganar a torcida, hein?
    O que é que eles produzem?
    Que eu saiba, apenas emigrantes, como soe acontecer com qualquer republiqueta “popular” que ainda tenha algum resquício de comuno-socialismo.

  2. jayme endebo disse:

    Não estou entendendo… cuba não é o paraiso e os irmãos castro não são “lideres”? é daqui a alguns anos vamos ver que eles eram ditadores iguais ao kadafi,mubarak etc e o paraiso vai virar o verdadeiro inferno.Pobres cubanos e ainde tem imbecis querendo importar esta porcaria.

  3. Joaquim Caldas disse:

    Cuba só é bom para os LADRÕES CRIADORES DA DEMOCRACIA NEGRA: assaltantes,terrorista,traficantes,ladrões e impátrios.Isto é ideologia cubana.

  4. jose roberto amorim disse:

    Não entendi mesmo.
    Cuba é um paraiso
    Os cubanos são altamente escolarizados
    como pode pessoas altamente escolarizadas abandonar um paraiso?
    Não entendi mesmo.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *