Início » Internacional » ISIS admite a venda e a escravização da população yazidi
Prática desumana

ISIS admite a venda e a escravização da população yazidi

Segundo o grupo extremista, tal prática restaura os preceitos da sharia, a interpretação radical lei islâmica

ISIS admite a venda e a escravização da população yazidi
Após a ofensiva jihadista, os yazidis foram obrigadaos a deixar suas casas (Reprodução/Internet)

Mulheres e crianças da minoria religiosa yazidis capturadas no Iraque pelo Estado Islâmico (ISIS) são entregues a jihadistas do grupo como “prêmios de guerra” para serem vendidos ou feitos de escravos. O grupo extremista admitiu o fato pela primeira vez. O anúncio foi feito pela revista Dabiq, publicada pelo grupo para propagar suas ideias. Segundo o ISIS, o princípio da escravidão estaria baseado em preceitos religiosos.

No último domingo, 12, a organização internacional Human Rights Watch afirmou centenas de yazidis estão presos em cativeiros improvisados controlados pelo ISIS no Iraque e na Síria. Com isso, a informação veio à tona. Após a ofensiva jihadista, os yazidis foram obrigados a deixarem suas casas.

“Após a captura, as mulheres e crianças foram divididas, segundo a sharia, entre os combatentes do Estado Islâmico que participaram das operações de Sinjar”, afirma o texto da revista intitulado “A recuperação da escravidão antes da hora”. Segundo a publicação, ao escravizar pessoas acusadas de professar uma crença religiosa desviada, o ISIS restaurou o sentido original de um preceito da sharia, a lei islâmica. A reportagem acrescentou que muitas famílias yazidis também foram vendidas para os soldados do ISIS.

Uma mulher declarou à Human Rights Watch, que viu um grupo de combatentes comprando meninas. Uma adolescente também afirmou que foi vendida por U$ 1.000 (cerca de R$ 2.400).

A Associated Press também entrevistou mulheres e crianças yazidis que escaparam do cativeiro, e muitas delas afirmaram que foram vendidas a soldados no Iraque e na Síria, onde o ISIS proclamou, no dia 29 de julho, a criação de seu califado.

De acordo com a organização terrorista, muitas mulheres foram obrigadas a casarem-se com seus combatentes, além de serem transformadas em escravas sexuais e forçadas a se converterem ao islamismo. O Ministério dos Direitos Humanos do Iraque já havia afirmado que centenas de mulheres yazidis tinham sido sequestradas pelo ISIS.

Fontes:
O Globo-Estado Islâmico admite venda e escravização de população yazidi

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *