Início » Internacional » Hamas rejeita trégua e Israel volta a atacar Gaza
Oriente Médio

Hamas rejeita trégua e Israel volta a atacar Gaza

Grupo militante islâmico classificou proposta egípcia de cessar-fogo de rendição. Médicos sem Fronteiras enfrentam dificuldades para atuar no local

Hamas rejeita trégua e Israel volta a atacar Gaza
As vítimas dos ataques padecem com impossibilidade de atendimento (Reprodução/IBRAHEEM ABU MUSTAFA/REUTERS)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O gabinete de segurança israelense aceitou nesta terça-feira, 15, a proposta de cessar-fogo na Faixa de Gaza apresentada pelo Egito, a partir das 9h da manhã desta terça (3h no horário de Brasília), após uma semana de conflito.

A proposta será discutida por Israel pelo gabinete em Tel Aviv. O pedido foi feito pouco antes de reunião de emergência dos ministros das Relações Exteriores da Liga Árabe, no Cairo, para discutir a ofensiva israelense. Segundo a proposta, Israel e Palestina teriam 12h para implementar o cessar-fogo.

As Brigadas Ezzedine al Qassam, que são o braço armado do Hamas na região, rejeitaram a proposta e exigiram acordo completo sobre o conflito, informando ainda que a batalha contra o inimigo ficará mais intensa. “Se o conteúdo desta proposta for exato, trata-se de uma rendição e rejeitamos sem apelação”, informaram as Brigadas por meio de comunicado.

Acordo de cessar-fogo

O objetivo do cessar-fogo é dar fim à hostilidade e iniciar trégua às ofensivas militares de ambos os lados; prevendo a abertura das fronteiras entre Israel e Palestina, em Gaza, para a passagem de produtos e pessoas; além de dar início às negociações par a entrada de bens de primeira necessidade na região.

O Egito sugeriu o prazo de 48h para começar as discussões com objetivo de dar fim ao conflito. O secretário de Estado americano, Jonhn Kerry, exortou a todos os partidos israelenses a aceitarem a proposta:

“A proposta egípcia para um cessar-fogo e negociações oferecem uma oportunidade para acabar com a violência e restaurar a calma. Saudamos a decisão do gabinete israelense de aceitá-la. Pedimos a todos os outros partidos que aceitem a proposta”.

Trégua recusada

De acordo com um funcionário do alto escalão do governo israelense, depois que o Hamas e a Jihad Islâmica recusaram a proposta do Egito de um cessar-fogo e dispararam dezenas de foguetes contra Israel, o primeiro ministro Benjamin Netanyahu e o ministro da Defesa Moshe Ya’alon ordenaram a realização de ataques contundentes contra alvos terroristas em Gaza.

“Se o Hamas não aceitar a proposta egípcia, como é o caso atualmente, Israel terá toda a legitimidade internacional para ampliar suas operações militares com o objetivo de restabelecer a calma”, advertiu Netanyahu durante um encontro com o ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier, em Tel Aviv.

O número de ataques israelenses desde o início da operação “Limite Protetor” chegou a 1.300, há oito dias, contra 900 projéteis disparados por Gaza. Pelo menos 192 palestinos morreram e mais de 1.100 ficaram feridos. Os hospitais de Gaza sofrem com a escassez de medicamentos e equipamentos, enquanto pacientes cruzam a fronteira com o Egito em busca de tratamento.

A equipe da organização Médicos sem Fronteiras (MSF) que atua em Gaza teve seu trabalho comprometido na última semana em função dos intensos ataques entre Israel e o  Hamas. Conforme informou ao Globo Stefan Dominioni,  funcionário de apoio logístico do MSF em Gaza, as vítimas dos ataques padecem com impossibilidade de atendimento enquanto o organismo trabalha sob tensão e o som do bombardeio.

 

 

 

 

Fontes:
O Globo - Israel aceita proposta egípcia de cessar-fogo em Gaza

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *