Início » Internacional » Israel retira colonos de assentamento ilegal na Palestina
ASSENTAMENTO ILEGAL

Israel retira colonos de assentamento ilegal na Palestina

Forças de segurança esvaziam o assentamento ilegal de Amona. No mesmo dia, governo anuncia mais 3 mil casas em assentamentos da Cisjordânia ocupada

Israel retira colonos de assentamento ilegal na Palestina
Uma ação do Tribunal Supremo israelense ordenou o esvaziamento do assentamento até o dia 8 de fevereiro (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Após anos de controvérsias políticas, as forças de segurança israelenses começaram nesta quarta-feira, 1, a retirar os cerca de 300 colonos judeus do assentamento ilegal de Amona, um território privado da Palestina. No entanto, algumas horas depois, o governo israelense aprovou a construção de outras milhares de moradias em assentamentos em territórios palestinos.

O assentamento Amona começou a ser esvaziado pela manhã. As autoridades israelenses encontraram resistência de manifestantes jovens que se opuseram à demolição de Amona. Eles reivindicavam que as terras fossem consideradas propriedade de Israel. De acordo com a imprensa local, legisladores, incluindo um ministro, se juntaram aos manifestantes.

Já existia a expectativa que houvesse oposição ao esvaziamento de Amona, tendo em vista que centenas de jovens se reuniram durante a madrugada para protestar contra a ação do governo. De acordo com moradores, a intenção era de resistir pacificamente à retirada.

Há muito tempo a questão do assentamento de Amona vem ameaçando a coalizão do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que conta com legendas pró-assentamentos e contrárias à demolição da colônia, como o partido de extrema-direita Jewish Home.

“Há muito sofrimento, uma grande decepção. Eles estão arrancando uma comunidade em Israel. É uma coisa terrível”, disse Bezalel Smotrich, legislador do Jewish Home.

O assentamento de Amona foi construído no final dos anos 1990 e é o maior de cerca de 100 construídos na Cisjordânia sem autorização. Em 2014, uma ação do Tribunal Supremo israelense ordenou seu esvaziamento até o dia 8 de fevereiro deste ano.

Outros assentamentos

Embora tenha determinado a demolição de Amona, o governo israelense anunciou poucas horas depois 3 mil novas casas em assentamentos da Cisjordânia ocupada. Desde que Donald Trump tomou posse como presidente dos Estados Unidos, Israel vem indicando que ampliará os assentamentos. Ao todo, já foram anunciadas 6 mil novas casas.

A expectativa é que Netanyahu melhore a relação com os Estados Unidos, já que Trump adota uma posição bem menos crítica que o ex-presidente Barack Obama em relação aos assentamentos.

Entretanto, a comunidade internacional condena a ação israelense na Palestina. Em dezembro do ano passado, o Conselho de Segurança das Nações Unidas publicou uma resolução em que considera os assentamentos uma violação flagrante da legislação internacional e como um obstáculo para a paz na região, que constantemente está em conflito.

Fontes:
The Guardian-Israel evicts Amona settlers as 3,000 new homes approved elsewhere
O Globo-Israel retira judeus da emblemática colônia ilegal Amona na Cisjordânia

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *