Início » Internacional » Jornal acusa avicultura brasileira de avançar sobre a Amazônia
The Guardian

Jornal acusa avicultura brasileira de avançar sobre a Amazônia

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Uma briga de foices está sendo travada entre o protecionismo da União Européia e a avicultura brasileira. Na última quarta-feira o jornal inglês "The Guardian" afirmou que a criação de aves estaria avançando sobre a Amazônia.

A matéria publicada questiona os métodos utilizados na produção brasileira — o maior exportador mundial de aves — e sugere que a carne de frango nacional pode ser prejudicial à saúde pública. A Europa é a quarta maior produtora e a terceira maior exportadora mundial do produto.

"Existe uma guerra de propaganda para convencer o consumidor europeu que o frango brasileiro é de péssima qualidade", afirmou Christian Lohbauer, presidente Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frangos (Abef). O órgão pretende mandar uma carta ao periódico rebatendo as acusações e explicando que a granja mais próxima da Floresta Amazônica está a 400 quilômetros de distância.

Fontes:
Portal Exame - Frango na Amazônia

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. EDVALDOTAVARES disse:

    UE APLICA MAIS UMA ESTRATÉGIA DA GUERRA DE QUARTA GERAÇÃO CONTRA O BRASIL. Pode parecer uma medida inocente em defesa da saúde pública e da conservação ambiental, mas não é. Como é amplamente divulgado na Europa que os países detentores da Amazônia são habitados por povos bárbaros, incapazes de preservá-la e que destruirão gradativamente as florestas, "pulmão do mundo", pondo em perigo a existência da humanidade, estão defendendo-a, com o emprego de mais uma estratégia dissimulada da guerra assimétrica. O nosso país, BRASIL, está sendo atacado por todas as frentes de combate que compõem este tipo de guerra, diferentemente da empregada no Iraque, que é de terceira geração. Um observador atento, facilmente identifica todas as frentes dessa guerra envolvendo o país, como podemos exemplificar: l- ações das ONGs nacionais e internacionais com a utilização de altas somas de dinheiro fornecidas pelos governo lulista e instituições internacionais, além dos lobbies, compra de políticos e autoridades brasileiras, e, ação dessas ONGs sobre os índios; 2- pressões no exterior para a internacionalização da Amazônia; 3- acusação de que a avicultura brasileira está prejudicando a Amazônia; 4- embargo contra a carne bovina brasileira; 5- intensa propaganda sobre o desflorestamento da Amazônia – derrubada de árvores e queimadas; 5- manifestações contra o avanço da cultura agropecuária na região – biodiesel, álcool e pecuária. Inúmeras manifestações desse tipo de guerra podem ser apontadas. As táticas são desenvolvidas nos mais diversificados campos de atuação e existência de um país. Os expectadores desavisados não dão a devida importância ao desdobramento das aplicações estratégicas imbutidas nas táticas desses tipos de combates. Finalizando, chamo a atenção da importância capital atualmente adquirida pelo <CONGRESSO NACIONAL>. Habilmente envolvido e totalmente desinformado o governo brasileiro votou a favor da "Declaração Universal dos Direitos dos Povos Indígenas", em 14 de setembro de 2007, na ONU. Matreiros, os USA, Canadá, Asutrália e Nova Zelândia, votaram contra. Se o <CONGRESSO NACIONAL> votar a favor dessa "Declaração Universal dos Direitos dos Povos Indígenas", da ONU, 190 milhões de brasileiros – o total do povo brasileiro -, serão despejados da terra dos índios, que é o BRASIL. Ou, então, além de todos os impostos que pagam aos governos do Executivo, <pagarão também indenização aos donos da terra, aos indígenas>. "BRASIL ACIMA DE TUDO. SELVA!" EDVALDOTAVARES. MÉDICO. BRASÍLIA/DF.

  2. Adilson Rocha disse:

    Hoje devido a ganância, pessoas ou nações vituperam, difamam, ou usam qualquer tipo de estratégia baixo calão, para continuarem no auge de seu poder Cada um tem o direito de se defender, e se possível pedir uma indenização mundial.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *