Início » Internacional » Justiça do Equador ordena prisão de Rafael Correa
EX-PRESIDENTE

Justiça do Equador ordena prisão de Rafael Correa

O ex-presidente do Equador é acusado de envolvimento no sequestro de um ex-deputado em 2012

Justiça do Equador ordena prisão de Rafael Correa
Correa, que vive na Bélgica, afirma ser alvo de perseguição política e judicial (Foto: Alberto Romo/Asamblea Nacional)

A Justiça do Equador expediu, na última terça-feira, 3, uma ordem de prisão preventiva contra o ex-presidente Rafael Correa. O ex-chefe de Estado, que vive na Bélgica, é acusado de envolvimento no sequestro do ex-deputado Fernando Balda, em 2012.

Medidas cautelares já haviam sido adotadas contra Correa. A cada 15 dias, contados a partir da última segunda-feira, 2, ele teria de comparecer à Justiça em Quito, na capital do Equador.

Como vive na Bélgica com sua família, o ex-presidente compareceu ao consulado do Equador em Bruxelas na data prevista, mas a presença foi insuficiente. Por isso, a Procuradoria-Geral da República solicitou uma ordem de prisão preventiva, pedido que foi atendido pela juíza Daniella Camacho, da Corte Nacional de Justiça (CNJ).

Os advogados de Fernando Balba apoiaram a decisão da Justiça. Agora, uma ordem de captura será enviada para a Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol) para que a prisão preventiva seja cumprida.

A defesa de Correa apresentou seis diferentes documentos que comprovam que o ex-presidente vive na Bélgica desde o fim do mandato e que compareceu ao consulado equatoriano – uma nota de comparecimento foi assinada pelo vice-cônsul, Bernardo Burgos.

“Como ex-presidente, é meu desejo cumprir com as exigências processuais, apesar de ser evidente a perseguição política e judicial que tenho sofrido nos últimos meses”, afirma o documento.

Ademais, foram apresentados um certificado escolar do filho de Correa, um certificado hospitalar de sua filha, um contrato de aluguel, uma solicitação de mudança de endereço e uma carta enviada à Assembleia Nacional do Equador revelando que, ao fim do mandato, o ex-presidente iria para a Bélgica. Felipe Rodríguez, advogado de Balda, contestou os documentos, afirmando que nenhum deles foi autenticado. O gabinete do procurador-geral da República, Paúl Pérez, os considerou irrelevantes.

Paúl Pérez baseou o pedido da prisão preventiva no Artigo 542 do Código Penal Orgânico Integral (Coip). Nele, está descrito que o réu que não cumprir uma medida cautelar pode ter o pedido de prisão preventiva decretado.

Através das redes sociais, Correa agradeceu o apoio que tem recebido de todos – diferentes ex-ministros e deputados federais se posicionaram a seu favor via Twitter. Além disso, o ex-presidente se mostrou tranquilo, afirmando que “tal monstruosidade nunca prosperará em um estado de direito como a Bélgica”.

O presidente da Bolívia, Evo Morales, que foi parceiro comercial de Correa também se posicionou a favor do ex-presidente. Morales denunciou uma “politização da Justiça” e afirmou que os Estados Unidos estão interferindo para que uma “pessoa inocente” seja presa. “Estamos com você, irmão Correa”, disse Morales.

Entenda a história

O ex-deputado Fernando Balda foi sequestrado por um grupo de criminosos colombianos, em Bogotá, em agosto de 2012. Balda ficou algumas horas detido e só foi libertado graças à atuação da polícia.

Os criminosos afirmaram que o sequestro contou com o envolvimento de agentes da Secretaria Nacional de Inteligência do Equador (Senain), que responde diretamente à presidência. Balda, que denunciou o governo de Correa por corrupção, passou a acusar o ex-presidente de ser o mandante do crime. As investigações pela Procuradoria-Geral da República, porém, só foram iniciadas em janeiro deste ano.

 

Leia também: Referendo no Equador põe fim à era Correa
Leia também: Mudança na política ditatorial do Equador

Fontes:
DW-Equador ordena prisão do ex-presidente Rafael Correa
El Comercio-Jueza ordenó prisión preventiva de Rafael Correa

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *