Início » Internacional » Justiça pede prisão preventiva de Cristina Kirchner
ARGENTINA

Justiça pede prisão preventiva de Cristina Kirchner

Medida precisa ser aprovada no Congresso, uma vez que Cristina é senadora

Justiça pede prisão preventiva de Cristina Kirchner
Cristina Kirchner é acusada de envolvimento no chamado 'Escândalo dos cadernos' (Fonte: Reprodução/Flickr)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Justiça argentina acusou formalmente nesta segunda-feira, 17, a ex-presidente do país Cristina Kirchner de comandar um grupo para receber propinas em um escândalo de corrupção que ficou conhecido como “Escândalo dos cadernos”.

Leia também: Senado argentino autoriza buscas em imóveis de Cristina Kirchner

O juiz Claudio Bonadio pediu a prisão preventiva de Cristina Kirchner. A medida, no entanto, precisa ser aprovada no Congresso, uma vez que a ex-presidente é atualmente senadora.

A ex-presidente argentina é acusada de ser membro de uma associação ilícita para cobrar propinas de empreiteiras.  As obras públicas teriam sido realizadas em seus mandatos e também no de seu marido, Néstor Kirchner, que morreu em 2010. O caso também envolve diversos ex-funcionários kirchneristas e empresários de setores como obras públicas, energia e transporte.

Fontes informaram à agência de notícias Efe que o juiz Claudio Bonadio também pediu a prisão de outros ex-integrantes do governo e de empresários por “formação de quadrilha”.

Empresários e ex-funcionários do governo que também são acusados vêm fazendo acordos de delação desde que o chamado “Escândalo dos Cadernos” foi divulgado, e admitiram a existência do esquema de cobrança de propinas e também o envolvimento da ex-presidente e do seu marido.

Fontes:
G1 - Juiz acusa formalmente Cristina Kirchner de chefiar grupo para receber propinas e pede prisão preventiva da ex-presidente

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *