Início » Internacional » Lugares improváveis: um segredo no Chile chamado Chiloé
Turismo

Lugares improváveis: um segredo no Chile chamado Chiloé

Confira os segredos da Ilha de Chiloé, no Chile

Lugares improváveis: um segredo no Chile chamado Chiloé
Cada vez mais Chiloé vai passar a fazer parte do vocabulário do viajante que vai ao Chile (Reprodução/Blog)

Se até hoje você ainda nunca tinha ouvido falar da Ilha de Chiloé, não se sinta só. A maior ilha do Chile ainda não é a mais conhecida e nem a mais visitada pelos turistas que vão ao país (no caso, a ilha que preenche esses requisitos é a de Páscoa) mas ao que tudo indica, cada vez mais Chiloé vai passar a fazer parte do vocabulário do viajante que vai ao Chile, tudo porque, de maneira resumida, é um lugar lindo!

Para entender melhor, Chiloé é um arquipélago ao sul do Chile, formado por 30 ilhas, sendo a maior, a Ilha de Grande de Chiloé, onde ficam as cidades de Castro e Ancud, os dois principais centros urbanos da região e que servem de base para o turismo na região. Da capital Santiago até Castro são apenas 1h50 de voo; de Puerto Montt, a cidade no continente mais próxima, são 1h de carro, mais uma travessia de ferry para chegar a ilha principal.

Até mais ou menos 3 anos atrás, o turismo em Chiloé era muito voltado para mochileiros e aventureiros.O local parecia um segredo para poucos. Percebendo a oportunidade de expandir o turismo da região para outros públicos, aconteceu nesses últimos anos grandes investimentos na área hoteleira (com hotéis diferenciados que explico melhor num outro post) e no próprio setor de serviços (com um novo aeroporto em Castro). Pronto: Chiloé já não estava mais tão isolada assim.

Sendo uma ilha, ou melhor, um conjunto de ilhas, o arquipélago entretanto mantém um ar meio misterioso, com você se sentindo realmente num Chile completamente diferente do que já se fala ou viu. Parece que o tempo passa mais devagar por lá do que no continente; há um ar interiorano, rural, com paisagens naturais dividindo atenção com patrimônios culturais antiqüíssimos, que só se encontra por aquelas bandas.

Só como exemplo, ao lado de cenas pitorescas de rebanhos de gado e ovelhas, há em Chiloé um grande conjunto de igrejas (feitas de madeira e construídas entre os séculos XVIII e XIX), que foram declaradas Patrimônio Mundial pela UNESCO. De arquitetura única também só se encontra nas ilhas as “casas chilotas”, casas típicas de madeira local (chamada alerce), cheias de detalhes e cores que dão charme único a todas as cidades e vilarejos da região. Dá para passar horas reparando em cada detalhe, comparando cada desenho nessas casinhas que parecem de boneca.

E se a influência de colonizadores e do povo local huilliche já deixam a paisagem interessante, a natureza também foi generosa com a ilha. Atividades como caiaque, cavalgada, caminhada, pesca esportiva e observação de pássaros (birdwatching) tem no local um cenário perfeito. Aliás, em Chiloé é possível ver pinguins no seu habitat natural e observar aves únicas como o zarapito, que sai do Alasca e sem paradas, faz seu descanso de verão no Chile. E por falar em Alasca, é em Chiloé também que termina a rodovia Pan-americana, que interliga toda a America e só termina na ilha pois, depois dessa, não há praticamente mais trechos de terra contínuos para se construir uma estrada. Parece o fim do mundo, mas não se esqueça, a Patagônia está logo ali para nos lembrar que tem muito mais Chile ao sul .

A cultura única chilota é vista também na sua culinária, misturando terra e mar em pratos tão excêntricos como a nossa feijoada; no caso o Curanto, um grande cozido de mariscos e carnes, feito sobre pedras quentes e cobertos com camadas de folhas gigantes locais chamadas nalca, tudo embaixo da terra.

Definitivamente não é um lugar óbvio. Cheio de coisas diferentes para ver, sentir, experimentar, Chiloé mostrou um outro Chile para ser descoberto, não tão novo assim, mas ainda cheio de novidades para quem procura algo diferente aqui na nossa vizinhança. Nos próximos posts, mais dicas sobre como conhecer as ilhas. Vambora!

 

*Guta C. escreve no blog Vambora, parceiro do Opinião e Notícia.

1 Opinião

  1. Iva disse:

    Adorei o post. Certamente esse lugar está agora na minha “lista de desejos”.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *