Início » Internacional » Mais de 70% dos países descumpriram meta de reduzir analfabetismo
UNESCO

Mais de 70% dos países descumpriram meta de reduzir analfabetismo

Brasil é um dos 139 países que não cumpriram a meta, segundo a Unesco

Mais de 70% dos países descumpriram meta de reduzir analfabetismo
Em 2015, 758 milhões de adultos sem capacidade de ler e escrever uma simples frase (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um levantamento feito pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) revelou que apenas 39 de um total de 139 países participantes conseguiram cumprir a meta 4 do programa “Educação para Todos”, que previa a redução de 50% nos índices de analfabetismo até o ano de 2015.

O Brasil está entre os países que descumpriram a meta de reduzir o analfabetismo. Dados divulgados nesta quarta-feira, 15, pela Unesco revelaram que o mundo tinha, em 2015, 758 milhões de adultos sem capacidade de ler e escrever uma simples frase, sendo 115 milhões com idades entre 15 e 24 anos.

Os números sugerem que cerca de 85% dos analfabetos fazem parte de gerações distantes de idades consideradas propícias para a vida escolar.

O levantamento é baseado em pesquisas de monitoramento respondidas por 139 estados-membros da Unesco. O objetivo é “elaborar um retrato diferenciado da situação global da aprendizagem e da educação de adultos (AEA)”.

Embora não tenham cumprido a meta de reduzir o analfabetismo, 85% dos países participantes ressaltaram que ” a alfabetização e as habilidades básicas eram uma prioridade principal de seus programas de aprendizagem e educação de adultos”, e 46% deles afirmaram que “o investimento inadequado ou mal direcionado é um fator importante que impede a aprendizagem e a educação de adultos de causarem impacto maior na saúde e no bem-estar”.

Ainda de acordo com o levantamento da Unesco, “a maioria (63%) dos adultos com baixas habilidades de alfabetização é formada por mulheres”. A taxa de meninas que não estão na escola é mais alta que a de meninos: 9,7% contra 8,3%, respectivamente.

A Unesco ressalta que “a educação é essencial para a dignidade e os direitos humanos, e é uma força para o empoderamento”, e ainda que “a educação de mulheres também tem grandes impactos nas famílias e na educação das crianças, influenciando o desenvolvimento econômico, a saúde e o engajamento cívico de toda a sociedade”.

Fontes:
G1 - Maioria dos países descumpriu meta de reduzir analfabetismo, diz Unesco

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Rogerio Faria disse:

    Enquanto se estuda um meio de salvar as universidades públicas no Brasil o analfabetismo e o ensino fundamental avança a duras penas.
    O Estado deve investir “pesado” em um ensino de qualidade na alfabetização ensinos fundamental, médio e técnico. Quem quiser curso superior que pague.

  2. Natanael Ferraz disse:

    O Estado deveria afastar-se definitiva e totalmente da Educação e deixar esse assunto para a sociedade civil. E o ensino deveria ser não obrigatório com currículo livre.
    Entre os meus mais de dez argumentos de defesa cito apenas o “homeschooling”.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *