Início » Internacional » Malala Yousafzai volta ao Paquistão anos após ataque
PAQUISTÃO

Malala Yousafzai volta ao Paquistão anos após ataque

Ativista se encontrou com o primeiro-ministro do país e fez um discurso emocionado

Malala Yousafzai volta ao Paquistão anos após ataque
A visita de Malala ao Paquistão foi mantida em segredo por questões de segurança (Foto: Flickr/Russell Watkins/Department for International Development)

Nesta quinta-feira, 29, a ativista paquistanesa Malala Yousafzai, voltou ao seu país natal pela primeira vez desde o ataque sofrido em 2012 por militantes do Talibã.

A visita foi mantida em segredo por questões de segurança. Malala viajou com seu pai e seu irmão mais novo. Assim que chegaram em Islamabad, capital do Paquistão, eles foram escoltados já no aeroporto internacional Benazir Bhutto, segundo fotógrafos da televisão local. Eles devem ficar a maior parte do tempo da viagem de 4 dias na capital.

Malala se reuniu com o primeiro-ministro paquistanês, Shahid Abbasi, e fez um breve discurso na televisão nacional. “Este é o dia mais feliz da minha vida. Eu ainda não acredito que isso esteja realmente acontecendo. Nos últimos cinco anos, eu sempre sonhei em voltar ao meu país. Eu só tenho 20 anos, mas eu já vi muito na vida. Nunca quis deixar o meu país”, disse Malala, visivelmente emocionada.

Uma visita ao Vale do Swat, sua região natal, parece pouco provável. Segundo um parente que conversou com a Reuters, a visita foi negada por questões de segurança. “É um desejo da Malala Yousafzai e de seus pais de visitar o Swat e ver seus parentes e amigos. Mas ela não recebeu permissão por questões de segurança”, disse o parente, que não quis ser identificado.

O plano original era que Malala fosse ao Paquistão em novembro do ano passado, mas a viagem teve de ser adiada por questões de segurança. Segundo a ministra da Informação paquistanesa, Marriyum Aurangzeb, a visita da ativista ao país é um símbolo de vitória. “Ela é uma pessoa que teve peito para enfrentar os militantes. Sua volta ao Paquistão é símbolo de que estamos vencendo na luta contra o extremismo e militância”, disse Aurangzeb. Segundo a ministra, Malala deve visitar dois médicos de Peshawar que fizeram suas primeiras cirurgias após o ataque.

Apesar de ser considerada um ícone no mundo todo, Malala é criticada por alguns paquistaneses, especialmente da direita, que a acusam de seguir a agenda do Ocidente.

Quem é Malala?

Malala é conhecida mundialmente por defender o direito das meninas de ir para escola. Quando tinha apenas 12 anos, manteve um diário online sobre sua vida escolar, a pedido da BBC. Malala usava o pseudônimo “Gul Makai”, por questões de segurança, já que o Talibã tinha começado a fechar escolas de meninas por serem contra a educação para mulheres.

Segundo a BBC, quando o exército paquistanês tentou expulsar o Talibã do Vale do Swat, Malala e sua família, assim como outros milhares de residentes, fugiram da região. A menina, então, resolveu se revelar como a autora do diário e fazer ativismo pela educação feminina.

Em 9 de outubro de 2012, o ônibus escolar em que ela estava foi atacado por militantes do Talibã que tinham como alvo Malala, na época com 15 anos. Ela e mais duas garotas levaram tiros. Todas sobreviveram, mas Malala ficou gravemente ferida após levar um tiro no rosto, o projétil ficou alojado em seu pescoço.

Após receber o primeiro atendimento no Paquistão, Malala foi transferida para um hospital especializado no Reino Unido, onde os médicos realizaram diversas cirurgias para reconstruir seu crânio. Desde então, Malala, seus pais e seus irmãos se mudaram para o país por questões de segurança.

No ano seguinte, após sua recuperação, Malala inaugurou o Fundo Malala, uma organização em prol do direito de estudar para meninas ao redor do mundo. Em 2014, Malala recebeu o Prêmio Nobel da Paz, se tornando a pessoa mais jovem do mundo a receber o prêmio.

Atualmente, Malala faz o curso de graduação em Filosofia, Política e Economia, na Universidade de Oxford, no Reino Unido.

 

Leia também: Oito dos dez acusados de atentado contra Malala foram libertados
Leia também: A história de uma menina que queria apenas ir à escola

Fontes:
The New York Times-Malala Returns to Pakistan for First Time Since Attack
The Guardian- Malala Yousafzai makes tearful return to Pakistan for first time since Taliban shooting
BBC-'Descoberta' por serviço da BBC, Malala retratava a vida escolar em meio a Talebã

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *