Início » Internacional » Marinha americana investiga casos de câncer em Guantánamo
Prisão americana

Marinha americana investiga casos de câncer em Guantánamo

Pelo menos sete civis e militares que trabalhavam em julgamentos na Baía de Guantánamo foram diagnosticados com câncer, de acordo com denúncia

Marinha americana investiga casos de câncer em Guantánamo
A denúncia não alega um aumento da incidência de câncer entre os detidos (Foto: Pixabay)

A Marinha americana está investigando uma denúncia feita ao Departamento de Defesa que busca a retirada de advogados civis e militares de partes da base americana, na Baía de Guantánamo, em Cuba, por conta de relatos de uma alta incidência de casos de câncer entre os funcionários que trabalham nos julgamentos dos presos. Pelo menos sete civis e militares que trabalhavam nestes julgamentos na Baía de Guantánamo foram diagnosticados com câncer. A denúncia também pede que os funcionários e o local sejam testados para agentes cancerígenos.

A denúncia afirma que um número incomum de pessoas relativamente novas e saudáveis que trabalharam na base foram diagnosticados com câncer.  Uma hipótese é que os pacientes tenham sido expostos a algum cancerígeno enquanto viviam e trabalhavam em uma parte de Guantánamo, que antigamente era usada para o descarte de combustível de avião. Os pacientes também podem ter sido expostos a toxinas como amianto em um prédio antigo onde inicialmente aconteciam os julgamentos militares, de acordo com a denúncia.

Ao longo da última década, aproximadamente 200 promotores, advogados de defesa e outros funcionários trabalharam na base. No entanto, a denúncia não alega um aumento nos índices de câncer entre os detidos, que estão presos em uma parte separada da base. Existem atualmente cerca de 115 detidos na base, que o presidente Barack Obama vem tentando fechar há anos.

Dois médicos disseram à Reuters que seria difícil determinar se a taxa de câncer na base era anormal sem informações muito mais detalhadas. Eles disseram que sete casos em um grupo de 200 pessoas mais jovens é incomum, especialmente se todos eles apresentarem o mesmo tipo de câncer. Mas sete pessoas em um grupo de 200 com tipos diferentes de câncer poderia ser normal, particularmente se os membros do grupo fossem mais velhos.

Advogados civis que trabalharam na base disseram que apoiam o pedido de investigação.

 

Fontes:
Reuters-U.S. Navy investigates report of cancer cluster at Guantanamo

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *