Início » Internacional » Mark Zuckerberg pede desculpas no Parlamento Europeu
ESCÂNDALO DO FACEBOOK

Mark Zuckerberg pede desculpas no Parlamento Europeu

Em depoimento referente ao escândalo de vazamento de dados, Zuckerberg prometeu endurecer as regras do Facebook em eleições, citando Brasil e Índia

Mark Zuckerberg pede desculpas no Parlamento Europeu
Inicialmente, a sabatina em Bruxelas ocorreria a portas fechadas (Foto: Flickr/deneyterrio)

Após depor na Câmara e no Senado dos Estados Unidos, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, pediu desculpas em depoimento no Parlamento Europeu na última terça-feira, 22. Os depoimentos do americano ocorrem após o escândalo de vazamento de dados de seus usuários.

A consultoria britânica Cambridge Analytica foi pivô do escândalo do uso irregular de dados de 87 milhões de usuários do Facebook. Devido ao afastamento de seus clientes, a empresa anunciou o encerramento de suas atividades no início deste mês.

Zuckerberg usou a mesma tática dos outros depoimentos ao pedir perdão por seus erros. Ele admitiu não ter feito o bastante para impedir os abusos e pediu desculpas. Entre as promessas que fez, prometeu endurecer as regras do Facebook nas próximas eleições, citando diretamente Brasil e Índia.

Após as introduções, os líderes europeus fizeram as perguntas em sequência para que Zuckerberg respondesse ao final. Em pouco mais de 20 minutos, ele deu uma resposta e afirmou que sua empresa tem atuado cada vez mais na remoção de conteúdo ofensivo, como mensagens terroristas, e na checagem de notícias falsas. Quando os legisladores insistiram em respostas diretas a seus questionamentos, Zuckerberg disse que encaminharia as informações ao longo dos próximos dias.

Inicialmente, a sabatina em Bruxelas ocorreria a portas fechadas. No entanto, devido a protestos de parlamentares e ameaças de boicote, o evento foi transmitido ao vivo.

A presença de Zuckerberg no Parlamento Europeu foi muito importante, principalmente, porque a União Europeia vai estrear seu novo marco regulatório da internet na próxima sexta-feira, 25. O plano vai implementar duras medidas no lugar das lançadas em 1995.

Segundo a regulação geral de proteção de dados (GDPR, na sigla em inglês), aprovada em 2016, os usuários têm o direito de saber quais informações pessoais são armazenadas na internet e por que razão. As empresas que descumprirem as leis serão multadas em até 4% de sua renda global ou R$ 80 milhões, o valor que for mais alto.

O novo marco legal deixa claro que qualquer firma que recolha dados de cidadãos europeus responde ao GDPR. “Temos uma grande equipe trabalhando para garantir que cumpriremos o GDPR”, disse Zuckerberg ao Parlamento Europeu.

 

Leia também: Cambridge Analytica: quem navega os votos é o mar, ou melhor, o Ocean
Leia também: Vazamento do Facebook afetou 443 mil brasileiros

Fontes:
Folha de S.Paulo-No Parlamento Europeu, Zuckerberg diz que Facebook foi lento e pede perdão
G1-Mark Zuckerberg vai ao Parlamento Europeu para esclarecer como Facebook pode impactar eleições

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *