Início » Internacional » Meninos da Tailândia têm alta e dão 1ª entrevista
FINAL FELIZ

Meninos da Tailândia têm alta e dão 1ª entrevista

Após terem seu primeiro contato direto com a imprensa em uma coletiva, todos os meninos e o treinador resgatados em caverna foram levados para casa

Meninos da Tailândia têm alta e dão 1ª entrevista
A coletiva foi intitulada 'Enviando os Javalis Selvagens para Casa' (Foto: ANSA)

Os 12 meninos e o treinador de futebol que foram resgatados de uma caverna na Tailândia após passarem 17 dias presos no local tiveram alta do hospital nesta quarta-feira, 18. Em seguida, eles tiveram seu primeiro contato direto com a imprensa em uma coletiva.

Antes da coletiva, agentes do governo local e do hospital tomaram medidas para proteger os meninos. Jornalistas foram orientados a evitar preguntas que explorassem o trauma mental sofrido pelos jovens. O porta-voz do governo tailandês, Sansern Kaewkamnerd, ressaltou que os meninos são protegidos pela Lei de Proteção Infantil da Tailândia, na qual consta um artigo que protege menores de cobertura midiática capaz de causar danos emocionais ou à reputação. As perguntas feitas na coletiva foram previamente aprovadas por um psicólogo.

A coletiva, intitulada “Enviando os Javalis Selvagens para Casa”, foi transmitida ao vivo. Após a entrevista, os meninos foram para casa. Na saída do hospital, pessoas saudaram os jovens e celebraram sua recuperação.

A coletiva teve um teor leve. A equipe dos Javalis Selvagens – como se chama o time de futebol dos meninos – trajava uma camisa com menção ao time e esbanjava sorrisos. Ao lado dos meninos, estavam médicos especialistas e os mergulhadores da Marinha da Tailândia.

Os meninos foram resgatados entre os dias 8 e 10 de julho. O grupo entrou na caverna no dia 23 de junho, mas ficou preso por causa de fortes chuvas que inundaram pontos da caverna, incluindo a única entrada. Confira abaixo os principais pontos abordados na coletiva.

O início de tudo

Durante a entrevista, os meninos e o treinador esclareceram que entraram na caverna para explorar o lugar por curiosidade, desmentindo a principal versão anteriormente apresentada de que eles haviam buscado refúgio por conta do temporal.

O treinador do time, Ekkapol Chanthawong, de 25 anos, também conhecido como Ake, destacou que é comum que o time faça outras atividades após os treinos de futebol aos sábados, e explorar a caverna foi uma delas. A ideia era entrar e sair rápido do lugar. O time teria explorado o local por cerca de uma hora, mas, ao tentar voltar, os túneis já estavam inundados.

Nesse momento, eles concordaram em recuar para um local mais alto da caverna se proteger e esperar o nível da água baixar, o que não aconteceu. Eles acreditavam que a água baixaria no dia seguinte.

Porém, conforme o tempo passava, eles começaram a sentir fome e sede. Para se manterem firmes, eles disseram que evitavam pensar em comida e passaram a beber a água que caía de brechas nas pedras.

O treinador admitiu que eles tentaram cavar, sem sucesso, na tentativa de achar uma saída. “Tentamos cavar, pensando que não podíamos esperar as autoridades”, disse o treinador.

O encontro

Adul Sam-on, de 14 anos, era o único que sabia falar inglês no grupo. Ele falou sobre o momento em que o time foi encontrado por mergulhadores britânicos no dia 2 de julho, a 4 quilômetros da entrada da caverna. Segundo Adul, quando os mergulhadores chegaram, eles estavam ocupados cavando para encontrar uma saída. Foi então que um dos meninos ouviu vozes de pessoas falando.

“Foi um choque. O técnico pediu para mantermos a calma”, disse Adul, conforme noticiou o portal G1. Ao ser encontrado pelos mergulhadores, os meninos – que haviam perdido a noção do tempo – questionaram há quantos dias estavam ali.

Mergulhador morto

O momento de maior tristeza foi quando o grupo tomou conhecimento da morte do mergulhador Saman Kunan, que participava do resgate. Os meninos só souberam do ocorrido no hospital. Segundo o treinador Ake, o time se sentiu culpado. Os jovens prestaram uma homenagem a Kunan, escrevendo mensagens de agradecimento ao redor de uma foto do mergulhador. “Obrigado do fundo do meu coração” e “Eu quero dizer obrigado” foram algumas das mensagens escritas.

A foto será entregue à família de Kunan como forma de agradecimento. Ademais, os meninos ainda planejam serem ordenados como monges em homenagem a Kunan – a prática é comum na Tailândia.

A saída

Após a finalizar o plano de resgate, os mergulhadores começaram a se preparar para retirar os garotos. Todos foram avaliados como fortes o suficiente para saírem. No entanto, nenhum dos meninos queria ser o primeiro a sair. De acordo com o treinador Ake, isso ocorreu pelo fato do time ter se unido ainda mais dentro da caverna.

Mesmo assim, aos poucos, as crianças e o treinador foram resgatados. No primeiro dia, 8 de julho, quatro meninos foram resgatados. No segundo, dia 9 de julho, mais quatro meninos. Por fim, no dia 10 de julho, outros quatro meninos e o treinador foram retirados do local. Todos foram rapidamente encaminhados para o hospital.

O futuro

A experiência não abalou o ímpeto dos meninos. A maioria ainda pretende ser jogador de futebol. No entanto, um novo sonho tomou conta de alguns: integrar a Marinha da Tailândia. Pelo menos quatro dos meninos sinalizaram que desejam fazer parte da instituição.

Sobre as lições aprendidas, todos sinalizaram que vão dar mais valor à vida. O treinador Ake disse que vai tentar viver de forma mais cuidadosa. O menino Adul reconheceu que a experiência ensinou os perigos de se viver de maneira descuidada. “Serei mais forte”, prometeu outro dos meninos.

Quatro dos meninos, que estão sem nacionalidade, vão receber a cidadania tailandesa. O governo solicitou que os jornalistas deem aos meninos um prazo de pelo menos um mês, para evitar que a exposição midiática atrapalhe a recuperação. A mesma orientação foi dada às famílias dos jovens pelos médicos do hospital.

Fontes:
The Guardian-Thailand rescue: we tried to dig our way out of cave, say boys – live updates
CNN-Thailand cave rescue: Boys recount moment they became trapped
G1-Meninos falam sobre fome e medo nos dias em que ficaram presos em caverna na Tailândia

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *