Início » Internacional » A misteriosa doença que ‘desliga’ crianças
SAÚDE

A misteriosa doença que ‘desliga’ crianças

A Síndrome de Resignação, que só ocorre na Suécia, já afeta crianças há quase 20 anos

A misteriosa doença que ‘desliga’ crianças
As crianças afetadas param de se mexer, de se alimentar e até mesmo de abrir os olhos (Foto: BBC)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Uma doença misteriosa está atingindo crianças na Suécia. A Síndrome de Resignação, geralmente, afeta crianças que passaram por episódios de violência extrema, ou cujas famílias fugiram de ambientes perigosos. Todas as vítimas são crianças solicitantes de asilo ou refugiadas. A doença que já ocorre no país há quase 20 anos faz com que as crianças simplesmente “desliguem”. Elas param de se mexer, de se alimentar e, em alguns casos, até mesmo de abrir os olhos.

Profissionais de saúde acreditam que o trauma é o responsável pela enfermidade. O primeiro registro ocorreu nos anos 1990. Entre 2003 e 2005, foram mais de 400 casos. Num país em que, segundo o censo de 2010, 15% da população é imigrante, a doença virou uma questão política devido ao debate sobre a imigração. Na última década, entretanto, o número diminuiu. Entre 2015 e 2016, foram 169 casos.

A doença parece afetar crianças como as provenientes da antiga União Soviética, dos Balcãs, crianças ciganas e, mais recentemente, yazidis. Várias condições parecidas já foram observadas antes, como entre os sobreviventes de campos de concentração nazistas.

Em Solsidan, um abrigo para crianças com problemas no país, crianças com Síndrome de Resignação já foram curadas. “A criança percebe que ‘minha mãe não pode tomar conta de mim’. E perde a esperança porque sabem que são totalmente dependentes dos pais. Quando isso acontece, para onde a criança pode ir – ou a quem pode recorrer?”, explica Annica Carlshamre, assistente social do abrigo. Como a conexão familiar precisa ser reconstruída, o primeiro passo no abrigo é separar as crianças dos pais.

“Mantemos a família informada sobre o progresso, mas não deixamos que fale com as crianças, porque elas precisam depender dos nossos funcionários. Ao separarmos as crianças, leva apenas alguns dias até vermos os primeiros sinais de melhora”, diz Carlshamre.

As crianças frequentemente ficam sem qualquer contato com os pais até que consigam falar com eles ao telefone. E as conversas sobre o processo migratório são proibidas. As crianças são retiradas todos os dias da cama e as funcionárias as ajudam a brincar. “Brincamos por elas até que possam brincar sozinhas. Dançamos e ouvimos muita música. Queremos despertar seus sentidos. Colocamos um pouco de refrigerante em suas bocas para que provem algo doce. As que estão sendo alimentadas por sonda, a gente coloca na cozinha para sentirem cheiro de comida. Vivemos pelas crianças até que elas consigam viver por si próprias”, explica a funcionária Clara Ogren.

O mais longo tempo que uma criança levou para se recuperar em Solsidan foi de seis meses. Mas não se sabe se o tratamento funciona em todos os casos.

Fontes:
BBC-O que é a Síndrome da Resignação, a misteriosa doença que só ocorre na Suécia

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Luiz Fernando disse:

    Que mundo é esse???

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *