Início » Gráfico » Mortalidade infantil é diferente entre meninos e meninas
taxas de mortalidade

Mortalidade infantil é diferente entre meninos e meninas

Dados da UNICEF mostram retrato complexo da mortalidade infantil

Mortalidade infantil é diferente entre meninos e meninas
Na África, a mortalidade infantil masculina é muito mais alta que a feminina (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Poder-se-ia considerar que, em países pobres, as meninas enfrentam mais dificuldades que os meninos. É verdade que elas podem ser menos bem tratadas dentro da família e que costumam frequentar a escola por períodos mais curtos (embora a maioria pelo menos vá à escola). Mas os números de mortalidade infantil revelam um retrato mais complexo. Na África a mortalidade infantil masculina é muito mais alta que a feminina, de acordo com novos dados da UNICEF que decompõem a mortalidade por sexo pela primeira vez. Lá, 114 meninos com menos de cinco anos morrem para cada 1.000 crianças que nascem vivas, comparado a apenas 103 meninas.

Isso é um reflexo da biologia: em todas as sociedades garotos tendem a ser mais vulneráveis a doenças infantis. Esta também é a razão porque em todos os países nascem mais meninos que meninas: a razão da natureza é de 105 para 100. Mas a Índia é altamente incomum: trata-se do único país (além das Ilhas Salomão) onde morrem mais meninas que meninos (64 para 59). Trata-se também de um país que pratica o aborto de fetos femininos – e é possível que alguns abortos sejam contados como mortes infantis. A China também pratica o aborto baseado em sexo e seus números de mortalidade infantil também são incomuns: 14,8 para meninos e 14,4 para meninas; uma taxa relativamente equilibrada.

Isso é muito diferente do padrão na África, América Latina e leste europeu, onde a mortalidade masculina é maior. As outras partes do mundo nas quais há uma grande discrepância entre taxas de mortalidade de garotas e garotos são áreas ricas da Europa, EUA e Japão. Eles praticamente não têm mortalidade infantil, de modo que as taxas para ambos os sexos são próximas de zero.

 

*Texto traduzido e adaptado da Economist por Eduardo Sá

Fontes:
The Economist-Suffer the little children

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Carlos de Morais disse:

    Nas áreas ricas a biologia não funciona?

    O trabalho infantil, destacadamente próprio dos meninos, nos paises pobres, não sera um fator importante?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *